EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Hospitais franceses preparam possibilidade de segunda vaga

Hospitais franceses preparam possibilidade de segunda vaga
Direitos de autor Euronews
Direitos de autor Euronews
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Conselho Científico Francês acredita que epidemia de coronavírus pode ressurgir no outono

PUBLICIDADE

A calma depois da tempestade, ou entre duas tormentas: no hospital de Dijon, no leste de França, ninguém ousa esperar o melhor. Na memória, está a rapidez com que as instalações passaram da entrada do primeiro paciente com o coronavírus, a 27 de fevereiro, para o pico da epidemia, que levou outros 2400 franceses a darem entrada neste hospital.

Atualmente, há apenas 3 pacientes hospitalizados a recuperar da Covid-19, mas as equipas preparam-se para a eventualidade de uma segunda vaga que, segundo o Conselho Científico Francês, pode acontecer no outono.

Nadège Baille, diretora do hospital de Dijon: "Continuamos a ter camas disponíveis para pacientes com Covid-19, que estão desocupadas mas preparadas para receber pessoas se necessário. Não consideramos que a pandemia está ultrapassada, mas a diferença com respeito à primeira vaga é que estamos muito melhor equipados e agora podemos realizar até 2500 testes por dia."

Menos pacientes com Covid-19 não significa um ritmo menos intenso. Apesar do serviço para outras urgências ter continuado a operar durante a crise, muitas operações não urgentes foram adiadas e estão agora a ser retomadas, pelo menos até que haja sinais de novos focos importantes da epidemia.

Jacques Baurin, diretor do Departamento de Neurocirurgia: "Foram feitos grandes esforços com as teleconsultas durante a primeira vaga, para manter o contacto com pacientes que tiveram de cancelar intervenções. Assim que pudemos voltar a marcá-los, demos prioridade aos que mais precisavam. E sabemos quais são porque mantivemos esse contacto durante este período difícil."

A pandemia representou também uma dura prova para os profissionais de saúde que, apesar de se sentirem agora mais preparados, temem ter de enfrentar uma nova vaga.

Justine Perrot, anestesista:"O que nos ajudou a adaptar-nos foi o apoio dos que trabalham normalmente nos serviços de urgência e também tivemos o apoio de enfermeiros externos. É sempre interessante trabalhar com pessoas com as quais não estamos habituados e fazê-lo em colaboração."

Guillaume Petit, euronews: "Nas vésperas das férias de Verão, os hospitais franceses estão numa situação intermediária: por um lado, há quatro vezes menos pacientes hospitalizados do que em abril, mas por outro há mais de 80 pequenos focos a ser investigados por todo o país. O risco de uma ressurgência da pandemia obriga à vigilância."

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Francês detido no Irão por participar em protestos após a morte de Mahsa Amini foi libertado

Centenas assistem a recriação de desembarque do Dia D

Milhares de túmulos iluminados não deixam apagar a memória do Dia D