EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Eleições legislativas na Macedónia do Norte a 15 de julho

Eleições legislativas na Macedónia do Norte a 15 de julho
Direitos de autor Boris Grdanoski/AP
Direitos de autor Boris Grdanoski/AP
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Os eleitores da Macedónia do Norte vão ter de escolher os melhores dirigentes para cumprirem as exigências de Bruxelas para a adesão do país à UE

PUBLICIDADE

Em plena crise sanitária, no meio da segunda vaga da COVID-19, os eleitores da Macedónia do Norte preparam-se para eleições legislativas antecipadas, no dia 15 de julho.

E qualquer que seja a escolha nas urnas, o objetivo será o rápido início das negociações de adesão à União Europeia. Da esquerda à direita do espetro político, passando pelo centro, todos apontam na direção de Bruxelas, cada um com o seu caminho.

O ministro dos Negócios Estrangeiros, o social-democrata, Nicola Dimitrov diz que "só há uma opção"; a opção que ele apresenta, que é "avançar com base no que foi conseguido nos últimos anos", que foi, diz, em muitos aspetos, "um milagre, com resolução de grandes questões e investimento nas reformas europeias".

O partido mais à direita, o partido conservador, membro do PPE, critica o governo, que acusa de "prejudicar os interesses nacionais", com a assinatura do Acordo de Prespa, essencial para acabar com o veto da Grécia à adesão da Macedónia do Norte à NATO e para a luz verde do Conselho Europeu para as negociações de adesão à UE.

Durante a campanha, o vice-presidente, Aleksander Nikolovski, prometeu revogar o acordo se ganhar a eleição. "Temos consciência de que é precisa uma maioria de 2/3 no Parlamento para a alteração da constituição. Se o conseguirmos, é claro que o faremos", diz.

Os social-democratas não se cansam de recordar que pôr em causa o tratado, seria por em causa a integração da Macedónia do Norte na União Europeia.

"Infelizmente, os adversários não são deste século. É um nacionalismo superficial. Acenam com a anulação do Acordo Prespa e depois fogem das questões do Estado de direito e da Justiça", rebate Nikola Dimitrov.

No contra-ataque, a oposição afirma que o único obstáculo aos processos de integração na UE são os próprios social-democratas - que têm estado no governo - e a falta de reformas cruciais.

"Como país, ainda não podemos iniciar conversações de adesão. Há certos atrasos que estão a acontecer nos últimos tempos. Durante nove anos foi a disputa pelo nome e o veto que a Grécia estava a colocar ao nosso país e, agora, nos últimos três anos, praticamente o país está encalhado sem qualquer progresso", acusa Nikolovski.

O repórter da Euronews, Borjan Jovanovski, refere que a Comissão Europeia divulgou, a 2 de julho, o quadro negocial, exigindo o reforço do Estado de direito. Agora, um milhão e oitocentos mil eleitores devem decidir qual é o partido com mais capacidade para responder com eficácia às exigências da União Europeia".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Macedónia do Norte escolhe novo governo

Modi reivindica vitória nas eleições gerais da Índia

Primeiro-ministro Modi perto da vitória nas eleições da Índia