EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Quem deverá participar na mediação da crise na Bielorrússia?

Quem deverá participar na mediação da crise na Bielorrússia?
Direitos de autor LTLT
Direitos de autor LTLT
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Lituânia, Letónia e Polónia prontas a mediar a crise na Bielorrússia, mas será preciso definir primeiro quem da oposição deverá participar na mediação

PUBLICIDADE

A Lituânia, a Letónia e a Polónia estão prontas para servirem de mediadoras, de forma a encontrar uma solução para a crise na Bielorrússia. Para isso, exigem que as autoridades de Minsk deixem de usar a força, libertem os detidos e retomem o diálogo com a sociedade civil.

Mas, como disse o chefe da diplomacia lituana à Euronews decidir quem vai participar na mediação já não é fácil.

"Falou da oposição mas é preciso perceber que este é um fenómeno caótico, descentralizado, muito difícil de seguir ou perceber quem é o líder. Mesmo Svetlana (Tikhanovskaya), que está agora na Lituânia, tornou-se líder da oposição mas nunca foi uma política, é uma mulher que surgiu de forma acidental com uma grande popularidade", disse Linas Linkevičiu.

As diferentes forças, designadas como oposição bielorrussa, continuam a apelar a uma reação e condenação internacional como faz Veronika Tsepkalo, mulher de um candidato presidencial: "A nossa esperança é que a comunidade internacional não reconheça Lukashenko como presidente. Não foi eleito pelo povo, não pode representar a República da Bielorrússia na arena internacional. A única presidente eleita é Svetlana Tikhanovskaya. Pedimos à comunidade internacional que condene Lukashenko ao esquecimento."

A única do triunvirato feminino das líderes da oposição, que ainda permanece na Bielorrússia, é Maria Kolesnikova, que garantiu à repórter da Euronews, em Minsk, que não tenciona sair: "Eu não me vou embora. Sinto um grande apoio do povo bielorrusso. As pessoas que me encontram na rua aplaudem-me, abraçam-me e eu abraço-as também. Sei que juntos podemos mudar a Bielorrússia para melhor.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Morreu cidadão lituano detido na Bielorrússia

Prisioneiro político bielorrusso morre por alegada falta de cuidados médicos

Lukashenko afirma que Putin não lhe disse nada sobre a guerra com a Ucrânia