Última hora
This content is not available in your region

OMS pede esforço coletivo para poupar um milhão de vidas

Access to the comments Comentários
De  Francisco Marques com AP, AFP, Lusa
euronews_icons_loading
OMS pede esforço coletivo para poupar um milhão de vidas
Direitos de autor  ADEK BERRY/AFP or licensors
Tamanho do texto Aa Aa

O número de mortes relacionadas com a Covid-19 ainda não chegou a um milhão, mas a Organização Mundial de Saúde já começa a antever a fasquia da pandemia nos dois milhões de fatalidades se nada for feito de forma concertada por todos os países.

O diretor-executivo da OMS sublinha que "um milhão de mortos já é um número terrível" e diz ser preciso "refletir nesse número antes de se começar a falar no segundo milhão".

Michael Ryan mostrou-se particularmente preocupado com o agravamento da situação na Europa e questionou a eficácia dos confinamentos, em especial quando decididos de forma individual entre países vizinhos e parceiros económicos.

Há muita coisa por fazer para poupar vidas em termos de controlo da doença, medidas já existentes para salvar vidas e as inovações em desenvolvimento.

"A verdadeira questão é: estamos, nós, preparados coletivamente para fazer o que é preciso para evitar os dois milhões de mortos?
Michael Ryan
Diretor-executivo da OMS

Espanha é atualmente um dos países europeus onde o novo coronavírus está a alastrar mais rapidamente. Esta sexta-feira, foram anunciadas mais de 12 mil novas infeções em 48 horas e pelo menos 114 mortes.

A região mais afetada é a de Madrid, onde o governo regional continua a resistir à pressão do executivo central para confinar toda a capital, de limitar sobretudo as zonas onde a taxa de contágio supera os 500 contágios por 100 mil habitantes e reduzir em 50% a lotação das esplanadas.

A presidente do Governo regional madrileno fez saber a Pedro Sanchez que "Madrid sabe o que tem de fazer e apenas pede ajudas concretas". "Isto não vai lá só com imposições", terá dito Isabel Díaz Ayuso.

Uma residente de uma das zonas da capital com medidas restritivas mais apertadas e identificada como Rosa disse ser "um absurdo" as medidas implementadas.

"Confinam-nos e no metro viajamos como sardinhas. Onde estão os dois metros de distância?" questionou Rosa, em tom crítico para as autoridades.

Em Israel, o ministério da Saúde reviu com um agravamento o número de contágios anunciado na quinta-feira. Afinal foram mais de oito mil novos casos e, até ao final da tarde de sexta-feira, ainda registou mais de 3.300 novas infeções e pelo menos 11 mortes no quadro da pandemia.

Desde as 14 horas de sexta-feira, Israel voltou a estar em confinamento total e assim deverá ficar pelo menos duas semanas, embora manifestações e orações não estejam proibidas porque o executivo não tem poder constitucional sobre essas atividades.

No Brasil, o terceiro país mais afetado do mundo pela pandemia e o segundo com mais mortes atrás dos Estados Unidos, o Carnaval de 2021 foi suspenso até que exista uma vacina contra o novo coronavírus. A decisão conta com apoio nas ruas.

"Eu participo do carnaval, frequento os blocos de rua e saio com escolas de samba. Mas neste momento, é preciso priorizar a nossa proteção, principalmente a das pessoas mais idosas e que estão em maior risco. Por isso, eu sou a favor do adiamento do Carnaval", afirmou a arquiteta Carla Mauro, residente no Rio de Janeiro e adepta da tradicional celebração carioca.

Na atualização desta sexta-feira, o Ministério da Saúde brasileiro registou 31.911 novas infeções e 729 mortes no quadro da pandemia, elevando os totais do país para 4.689.613 casos confirmados desde o início da pandemia, incluindo 4 milhões de pessoas recuperadas e 140 mil mortos.

O país mais afetado pelo novo coronavírus continua a ser de longe os Estados Unidos, que acabam de ultrapassar os sete milhões de casos confirmados desde o início da pandemia, incluindo quase 204 mil mortos e 2,7 milhões de pessoas recuperadas.