Última hora
This content is not available in your region

Arménia disposta a debater cessar-fogo em Nagorno-Karabach

euronews_icons_loading
Carro destruído em ataque contra Stepanakert, capital de Nagorno-Karabach
Carro destruído em ataque contra Stepanakert, capital de Nagorno-Karabach   -   Direitos de autor  Areg Balayan/PAN Photo
Tamanho do texto Aa Aa

Ativistas arménios protestavam esta sexta-feira em frente à embaixada turca, em Washington, contra o apoio de Ancara ao Azerbaijão no conflito pelo enclave separatista de Nagorno-Karabach.

Apesar da Arménia ter aberto a porta ao diálogo, no terreno os combates mantêm-se e, em paralelo, a França acusou da Turquia de enviar "jihadistas" da Síria para combater com as forças azeris, o que foi rejeitado por Baku mas não comentado por Ancara.

O presidente turco afirmou, por seu lado, que o Azerbaijão "lançou uma grande ofensiva para defender as suas terras e libertar Nagorno-Karabach, que se encontra ocupado".

Recep Tayip Erdogan disse que "o exército azeri está a avançar com sucesso" e acrescentou que a Turquia "continuará do lado do Azerbaijão".

A Arménia mostrou-se esta sexta-feira disposta a debater um cessar-fogo, depois de seis dias de combates que fizeram perto de 200 vítimas mortais, entre as quais mais de quarenta civis, reacendendo de forma violenta um contensioso que dura desde os anos 90.

Armen Muradyan, ex-ministro da saúde arménio, diz que a região "recebe ajuda de todo o mu ndo e tem tudo o que precisa normalmente", mas a evolução da situação nos últimos dias "exigirá novos recursos e pessoas médico", em termos de assistência internacional.

A testemunhar o recrudescimento dos combates, registaram-se novos ataques sobre Stepanakert, capital de Nogorno-Karabach, com 50.000 habitantes, que obrigaram uma parte da população a fugir para cavernas e abrigos na região