EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

França e Alemanha reconfinam

França e Alemanha reconfinam
Direitos de autor Photo : Francisco Seco (Copyright 2020 The Associated Press.All rights reserved)
Direitos de autor Photo : Francisco Seco (Copyright 2020 The Associated Press.All rights reserved)
De  Ricardo Figueira
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Face à segunda vaga do vírus e para evitar uma saturação dos serviços hospitalares, Paris e Berlim voltam à política que deu resultados na primavera.

França

PUBLICIDADE

A partir das zero horas desta sexta-feira, os franceses voltam ao confinamento. A medida foi anunciada ao país pelo presidente Emmanuel Macron como única possível de combate à segunda vaga da Covid 19, que está a crescer de forma preocupante. Segundo o próprio presidente explicou, os hospitais, em particular as unidades de cuidados intensivos, chegariam facilmente a um ponto de rutura ainda durante o mês de novembro, se não fossem tomadas medidas.

Macron anunciou que "vai ser preciso voltar ao confinamento que conseguiu travar o vírus. As medidas afetam todo o território nacional, com algumas adaptações nos territórios do Ultramar".

O novo confinamento tem diferenças em relação ao primeiro: As escolas mantêm-se abertas, tal como a maioria das empresas, mesmo se o teletrabalho é encorajado. Fecham os bares, restaurantes e comércios não-essenciais.

Disse Macron: "Países como Espanha, Irlanda ou Países Baixos tomaram medidas mais duras e mais mais antecipadas que nós. No entanto, estamos todos no mesmo ponto: Submergidos por uma segunda vaga que vai provavelmente ser mais difícil e mais mortífera que a primeira".

Alemanha

Também a Alemanha volta ao confinamento. Embora numa versão mais ligeira que a francesa, também aqui os restaurantes, bares, cinemas, teatros e ginásios fecham. Mesmo se a taxa de contágios e de mortes resultantes do vírus é menor que em França, o vírus está a propagar-se a um ritmo que preocupa o governo de Berlim.

"Temos de agir agora. Temos de agir para evitar uma situação de emergência nos serviços de saúde. Ninguém quer chegar a essa situação e temos de tomar decisões nesse sentido", disse a chanceler Angela Merkel.

Na Alemanha, como em muitos pontos da Europa, os trabalhadores dos setores mais afetados por esta crise, como os eventos ou a hotelaria, estão descontentes. A segunda vaga do vírus e o segundo confinamento, que pode vir a ser adotado por vários outros países, prometem desferir um novo duro golpe nestes setores.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Alemão cria sistema de ventilação para salas de aulas

Setor livreiro francês "à espera de ventiladores"

Macron desloca-se à Nova Caledónia para tentar pôr termo à violência no arquipélago