Última hora
This content is not available in your region

Estados Divididos da América

euronews_icons_loading
Estados Divididos da América
Direitos de autor  euronews
Tamanho do texto Aa Aa

Nunca os Estados Unidos da América foram um país tão dividido e 2020 foi o ano de todas a divisões.

As eleições não só deixaram expostas essas fraturas, como as aprofundaram. Uma semana depois das eleições, Joe Biden foi declarado vencedor.

"O povo desta nação falou. Deu-nos uma clara vitória, uma vitória convincente. Uma vitória para nós, o povo. Vencemos com o maior número de votos alguma vez ganho - 74 milhões", disse Biden no discurso de vitória. Quanto ao discurso de concessão da derrota por parte de Donald Trump, ninguém pode dizer nada, porque esse discurso simplesmente nunca existiu.

Os apoiantes do presidente eleito sairam à rua para celebrar. Uma alegria tão grande como a frustração, raiva e sentimento de injustiça entre os apoiantes de Donald Trump, que continua a acreditar que venceu as eleições: "Deram-nos uma vitória. Recebi quase 75 milhões de votos, o maior número de votos alguma vez dado a um presidente em exercício na história deste país", disse Trump.

Um relatório de setembro do Instituto de Pesquisas Pew mostra que 80% dos apoiantes de Trump ou Biden têm poucos ou nenhuns amigos que apoiem outro candidato.

Covid-19

A pandemia de Covid-19 foi um fator importante este ano. Mais que uma vez, Donald Trump menosprezou o vírus em público e fez até sugestões perigosas, como injetar desinfetante.

A Covid-19 causou também uma epidemia de desigualdade. As minorias étnicas foram as mais pessoas mais atingidas pelo coronavírus.

Tensões raciais

A morte de George Floyd às mãos da polícia, cujo vídeo correu mundo, causou manifestações contra o racismo e a violência policial que juntaram, no total, mais de 26 milhões de pessoas. Foram os maiores protestos de sempre num país que, apesar de se chamar Estados Unidos, está cada vez mais desunido.