Última hora
This content is not available in your region

Bulgária: Boiko Borisov ganha legislativas sem maioria

euronews_icons_loading
Bulgária: Boiko Borisov ganha legislativas sem maioria
Direitos de autor  AP Photo
Tamanho do texto Aa Aa

O primeiro-ministro da Bulgária, Boiko Borisov ganhou a eleição legislativa deste domigo, mas o caminho para a manutenção no governo não se prevê fácil. De acordo com as sondagens à boca das urnas, o partido de Borisov foi o mais votado, com pouco mais de 25% dos votos, mas sofreu uma queda considerável relativamente ao escrutínio anterior e terá muitas dificuldades para conseguir uma maioria que lhe permita formar um governo estável.

O Partido Socialista da Bulgária foi a segunda força mais votada mas também ficou bem distante do número de deputados eleitos em 2017.

O descontentamento do eleitorado com as principais forças políticas traduziu-se nos mais de 17% alcançados pelo ITN - "Há Um Povo Assim" - , partido recém-formado, liderado pelo apresentador de televisão, Slavi Trifonov e conhecido pelo populismo e pelas fortes críticas ao governo.

Depois de ter recusado entrevistas e aparições públicas, durante a campanha, Trifonov revelou que tinha COVID-19 e foi através do Facebook que agradeceu aos seus apoiantes.

A forma deste estreante fazer política foi diferente de tudo o que há foi visto na Bulgária. No dia da votação, por exemplo, os políticos normalmente informam os meios de comunicação social onde e a que horas votam para serem filados no momento do voto e proferirem algumas palavras.

Hristo Ivanov, presidente do Partido Bulgária Democrática, por exemplo, seguiu o mesmo guião de sempre e afirmou, após o voto, que esperava uma eleição livre e justa; Maya Manolova, presidente do "Levanta-te, Máfia Fora" afirmou após votar: "Votei para livrar o país da máfia no governo e nas finanças públicas".

Slavi Trifonov fez tudo diferente, como refere o repórter da Euronews em Sofia, Damian Vodenitcharov: "Não houve anúncios de campanha nem outdoors. Nenhum membro do partido apareceu nos debates televisivos. O "Há um povo assim" apenas utilizou o seu próprio canal de televisão e as redes sociais para chegar aos eleitores".

Em vez de reuniões do partido, ou aparições na televisão em tempos de Covid, Slavi Trifonov respondeu a perguntas de fãs num ambiente informal, justificando: "Uma vez que estamos a meio de uma campanha eleitoral, respondo diretamente às vossas perguntas. Não preciso de intermediários. Os jornalistas são apenas retransmissores. Sei isto por experiência porque trabalho no terreno há muitos anos".

Com propostas políticas vagas e uma abordagem próxima do populismo, o "Há um Povo Assim" conseguiu captar a atenção dos búlgaros. As sondagens dão-lhe quase 18% dos votos e uma previsão de até 42 deputados no novo parlamento.

De acordo com a televisão estatal búlgara, a participação ficou aquém dos 50% dos eleitores registados, o que se justifica com o medo da Covid-19. O país atravessa atualmente a sua pior fase desde o início da pandemia, com uma média superior a 3500 novos casos diários.