1800 recusos foram libertados num ataque a uma prisão na Nigéria

1800 recusos foram libertados num ataque a uma prisão na Nigéria
Direitos de autor David Dosunmu/Copyright 2021 The Associated Press. All rights reserved
Direitos de autor David Dosunmu/Copyright 2021 The Associated Press. All rights reserved
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Um grupo de homens armados assaltou a prisão de Owerri, no sudeste da Nigéria, tendo libertado 1800 prisioneiros

PUBLICIDADE

Mais de 1800 reclusos escaparam de uma prisão no sudeste da Nigéria, na sequência de um ataque armado à prisão.

Os atacantes chegaram em camionetas e autocarros, invadiram as instalações do estabelecimento prisional de Owerri, no estado de Imo, confrontando os guardas e libertando os reclusos.

Ao mesmo tempo foram atacados outros edifícios do governo na cidade de Owerri e o quartel-general da polícia.

Na região existem várias organizações separatistas. Até agora, nenhum grupo assumiu a responsabilidade pelo ataque.

O porta-voz dos serviços correcionais, Francis Enobore, declarou que os assaltates utilizaram explosivos para entrar no edifício e usaram armas muito sofisticadas no combate com os guardas prisionais.

As autoridades lançaram uma caça aos reclusos em fuga. Na prisão ficaram apenas 35 prisioneiros, que se recusaram a fugir e seis que regressaram após a fuga.

O sistema judicial da Nigéria é corrupto e lento e mais de 70% dos reclusos nunca foram julgados. Há milhares de prisioneiros esquecidos e abandonados atrás das grades, por todo o país.

Em outubro, durante as manifestações contra a violência policial, que se transformaram em motins, diversas prisões do estado de Lagos foram atacadas, mas nenhum prisioneiro conseguiu escapar, na altura.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Pais do adolescente que matou quatro colegas nos EUA condenados a penas de prisão entre 10 e 15 anos

Hungria: "Salis não é uma heroína, defenderemos os juízes", diz Governo

Papa Francisco volta à prisão de Rebibbia: "Jesus perdoa tudo"