Última hora
This content is not available in your region

Irão denuncia sabotagem e "terrorismo nuclear"

euronews_icons_loading
Irão  denuncia sabotagem e "terrorismo nuclear"
Direitos de autor  Atomic Energy Organization of Iran via AP
Tamanho do texto Aa Aa

O Irão descreve o corte de energia na central de Natanz como um ato de “terrorismo nuclear”. O incidente aconteceu na madrugada deste domingo, um dia depois de serem lançados na central reatores mais avançados e fundamentais para o programa de enriquecimento de urânio do país.

Numa declaração pública, o porta-voz da Organização da Energia Atómica do Irão (AEOI) disse que não houve feridos nem fugas radioativas. Behrouz Kamalvandi não apontou culpados e garantiu que o incidente está a ser investigado. Horas depois, a televisão estatal do país leu uma declaração do chefe da organização que condena e descreve o incidente como "sabotagem" e "terrorismo nuclear".

Não há acusados nem reivindicação do ataque mas as suspeitas recaem sobre Israel. Segundo fontes citadas pelos meios de comunicação israelitas, a Mossad foi a responsável pela falha de energia e pelo ataque cibernético na central de Natanz.

A central foi alvo de sabotagem no passado. O vírus informático Stuxnet, descoberto em 2010 e considerado como uma criação conjunta de Israel e dos Estados Unidos, destruiu reatores em Natanz.

Desta vez, o incidente acontece numa altura em que representantes dos países que assinaram o acordo nuclear em 2015 discutem o regresso dos Estados Unidos e o levantamento das sanções ao Irão

O primeiro-ministro israelita considera que as conversações abrem caminho ao desenvolvimento de armas nucleares, e que nesse caso, Israel está pronto para se defender.