Última hora
This content is not available in your region

Presidente da Tunísia quer nova abordagem para as migrações

euronews_icons_loading
Presidente da Tunísia quer nova abordagem para as migrações
Direitos de autor  Sara Caessens, Euronews
Tamanho do texto Aa Aa

As migrações não podem ser abordadas apenas numa perspetiva europeia e de segurança.

Esta uma das mensagens principais que o presidente da Tunísia Kais Saied deixou em Bruxelas após um encontro com a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen e o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel.

Em entrevista à euronews o presidente explicou que os migrantes que chegam ilegalmente à Europa vindos da Tunísia e do Norte de África são encorajados por redes europeias que os exploram violando os seus direitos fundamentais.

"Quem é que os recebe no norte? Quando aparecem nos campos ou nas fábricas e trabalham sem papéis, quem é que os explora e quem beneficia com isso? Aqui também é necessário combater as redes que traficam seres humanos dentro da Europa. Temos que cumprir os direitos em todo o lado", reclama Kais Saied, presidente da Tunísia.

Para o presidente tunisino, é necessário olhar para as razões que levam os jovens a migrar, como a falta de emprego nos seus países. Mas o presidente afirma que é preciso levar em consideração o lado positivo da migração qualificada, uma vez que a Europa beneficia com isso.

"Temos que falar da migração regular que envolve académicos e competências. No último ano, quase quinhentos médicos vieram para a Europa. Trata-se de recursos valiosos. Temos que abordar esta questão de vários ângulos, não apenas um", afirma o alto funcionário.

Um é limitado à presença de um número de migrantes miseráveis sem esperança de vida... a questão pode ser abordada por via unilateral, ou apenas de acordo com a segurança".

Segundo as Nações Unidas, mais de 13, 350 migrantes ilegais chegaram a Itália desde janeiro. Destes, pelo menos 15% são migrantes tunisinos.

A União Europeia está a trabalhar num acordo de auxílio económico com a Tunísia a fim de parar com o fluxo de migrantes para a Europa.