EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Centenas de padres polacos acusados de abuso

Centenas de padres polacos acusados de abuso
Direitos de autor AP / Czarek Sokolowski
Direitos de autor AP / Czarek Sokolowski
De  Teresa Bizarro com AP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Quebra-se o silêncio na Igreja Católica polaca. Num ano e meio foram reportadados 368 casos de abuso sexual de menores. Arcebispo Primaz pede desculpa às vítimas

PUBLICIDADE

Aprofunda-se a crise na Igreja Católica polaca. Num ano e meio foram feitas 368 denúncias de abusos sexuais de menores por parte de padres e religiosos. Alegações que já foram alvo de investigação e só 10 por cento foram rejeitadas por falta de credibilidade.

As queixas foram apresentados entre julho de 2018 e dezembro de 2020. O episódio mais antigo data de 1958 e o mais recente terá ocorrido em 2020.

O relatório é revelado numa altura em que o Vaticano investiga a falta de reação por parte dos líderes da igreja polaca no combate aos comportamentos abusivos.

O Arcebispo Primaz da Polónia veio a público pedir desculpa às vítimas.

"Hoje, como representante da Conferência Episcopal para a protecção de crianças e jovens, gostaria de me dirigir àqueles que foram prejudicados e a todos aqueles que foram escandalizados pelo mal na Igreja e pedir-lhes de novo perdão," afirmou Wojciech Polak, em conferência de imprensa.

O Vaticano puniu recentemente alguns bispos e arcebispos polacos por negligência e impediu-os de participar em cerimónias eclesiásticas e laicais. A Santa Sé está também a investigar relatos de negligência do arcebispo reformado de Cracóvia, Cardeal Stanislaw Dziwisz, que antes disso serviu como secretário pessoal do Papa João Paulo II.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Fundação Luma, o epicentro da arte de Arles

Primeiro-ministro polaco promete reforçar a segurança na fronteira com a Bielorrússia

Polónia quer estar pronta caso haja um ataque da Rússia e pede à UE para dar mais armas à Ucrânia