Comunidade internacional pressiona os talibãs sobre os Direitos Humanos

Access to the comments Comentários
De  Euronews
Comunidade internacional pressiona os talibãs sobre os Direitos Humanos
Direitos de autor  Salvatore Di Nolfi/AP

A Alta Comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, instou os líderes talibãs do Afeganistão a respeitarem os direitos de todos os afegãos, com o tratamento das mulheres e raparigas a constituírem "uma linha vermelha fundamental" que não deve ser ultrapassada.

Bachelet citou relatos credíveis de violações do direito humanitário internacional contra civis em áreas sob o seu controlo.

"Incluem, entre outros, execuções sumárias de civis e de membros das forças de segurança nacional afegãs; restrições aos direitos das mulheres - incluindo o seu direito de circular livremente e o direito das raparigas a frequentarem escolas -; recrutamento de crianças-soldados e repressão de protestos pacíficos e expressão de dissidência", afirmou.

A secretária-geral da Amnistia Internacional, Agnès Callamard, apelou, por seu turno, à comunidade internacional a não desistir da sua "responsabilidade para com o povo do Afeganistão".

"Enquanto os talibãs forem um grupo terrorista, temos meios de pressão, porque eles não podem aceder aos seus bens, exceto de forma irregular, não podem aceder à assistência financeira, não podem aceder aos empréstimos do Banco Mundial, etc. Portanto, temos meios de pressão", disse.

Os Talibãs têm vindo a afirmar que respeitarão os direitos humanos, incluindo os das mulheres e raparigas, mas a comunidade internacional continua cética em relação a estas declarações, tanto mais que surgem diariamente de relatos em contrário.