EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Tony Blair alerta para ameaça do radicalismo islâmico

Tony Blair alerta para ameaça do radicalismo islâmico
Direitos de autor Frank Augstein/Copyright 2018 The Associated Press. All rights reserved
Direitos de autor Frank Augstein/Copyright 2018 The Associated Press. All rights reserved
De  Euronews com EFE
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O antigo primeiro-ministro britânico diz que as democracias ocidentais ainda enfrentam a ameaça de ataques de grupos radicais que, no futuro, podem virar-se para o bioterrorismo

PUBLICIDADE

Tony Blair disse esta segunda-feira que o radicalismo islâmico é uma "ameaça de primeira ordem " e apelou aos líderes mundiais para desenvolverem uma estratégia comum para lidar com o problema.

O alerta do antigo primeiro-ministro britânico foi feito em Londres, numa conferência organizada pelo Royal United Services Institute, um grupo de reflexão dedicado à defesa e segurança.

Para assinalar os 20 anos dos atentados do "11 de setembro", e falando sobre a luta contra o terrorismo, Blair pediu alternativas aos Estados Unidos porque, neste momento e "num futuro próximo, a América tem uma apetência muito limitada para o envolvimento militar".

"Na minha opinião, o islamismo radical, tanto a ideologia como a violência, é um risco de primeira ordem e sem controlo, e virá até nós mesmo que esteja longe, como mostrou o 11 de setembro", afirmou o Blair. O antigo primeiro-ministro acrescentou que o radicalismo islâmico, com uma ideologia de "transformação da religião em doutrina política, apoiada se necessário pela luta armada, levou inevitavelmente ao conflito com sociedades abertas, modernas e culturalmente tolerantes".

Em relação ao Afeganistão, Tony Blair disse que a reconstrução não falhou porque as pessoas não queriam o país reconstruído e sublinhou que "a barreira para a construção de uma nação, na maioria das vezes não é o povo, mas a fraca capacidade institucional e de governação, incluindo a corrupção, ao longo de muitos anos".

Tony Blair diz que as democracias ocidentais ainda enfrentam a ameaça de ataques de grupos radicais que podem no futuro virar-se para o bioterrorismo. O líder que mais apoiou Washington nas invasões do Iraque e do Afeganistão pediu aos sucessores para recusarem a abordagem "ingénua" de que a força militar pode ser usada para defender e exportar valores democráticos.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Talibãs reivindicam controlo do vale do Panshir

Montra cheia para armeiros no Afeganistão

Afegãos procuram sobreviventes após as inundações que causaram centenas de mortos