EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Protestos em Roma e Istambul contra a violência de género

Protesto em Roma juntou milhares de pessoas
Protesto em Roma juntou milhares de pessoas Direitos de autor Gregorio Borgia/The Associated Press
Direitos de autor Gregorio Borgia/The Associated Press
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

As manifestações integraram-se numa série de marchas a nível mundial que se desenrolam ao longo de duas semanas.

PUBLICIDADE

Houve momentos de celebração pela unidade, mas o protesto que decorreu no centro de Roma, este sábado, teve sobretudo o luto e a revolta contra a violência de género como motores. 

Só este ano, houve em Itália 108 feminicídios.
Carlotta Cossutta
Movimento "Non Una Di Meno"

A manifestação integrou-se numa série de marchas a nível mundial que se desenrolam ao longo de duas semanas. Denunciam-se os vícios institucionais do sistema patriarcal que continuam a não oferecer a proteção necessária a mulheres e a membros da comunidade LGBT.

Carlotta Cossutta, do movimento "Non Una Di Meno", realça que "só este ano, houve em Itália 108 feminicídios, ou seja, uma morte a cada 72 horas. Todos os dias, há 89 mulheres a apresentar queixa por crimes relacionados com a violência de género, desde perseguições, a assédio online, a espancamentos, a abusos no trabalho ou em casa".

Também em Istambul houve protesto idêntico. Segundo alguns movimentos ativistas, só no mês passado, a Turquia terá registado quatro dezenas de mortes de mulheres em casos de violência. 

As autoridades turcas acabariam por dispersar esta manifestação com balas de borracha e gás lacrimogéneo.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

"Agricultores guerreiros" próximos da extrema-direita fizeram protesto "convivial"

Geórgia numa encruzilhada à medida que lei da influência estrangeira aprofunda divisões

Forças de segurança realizam operações na capital da Nova Caledónia para controlar onda de violência