EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Opositores condenados a 18 anos de prisão na Bielorrússia

Opositores condenados a 18 anos de prisão na Bielorrússia
Direitos de autor أ ف ب
Direitos de autor أ ف ب
De  Euronews
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Sergey Tikhanousky, político e marido da principal líder da oposição Sviatlana Tsikhanouskaya, e outros cinco "prisioneiros políticos" foram sentenciados pelo regime de Lukashenko a 18 anos de prisão.

PUBLICIDADE

Sentenças duras e infundadas. União Europeia e Estados Unidos condenam a pena de 18 anos de prisão para Sergey Tikhanousky, político e marido da principal líder da oposição Sviatlana Tsikhanouskaya, e outros cinco "prisioneiros políticos".

A decisão foi conhecida esta terça-feira.

No exílio, Tsikhanouskaya confessou à Euronews que foi apanhada de supresa:

"Sabia que seria uma sentença muito dura, mas não se pode estar preparado para uma coisa destas. Estava numa reunião quando um dos meus colaboradores me disse "18 anos" e eu compreendi tudo. Não podia desatar a chorar porque tinha de continuar com a reunião, mas claro que me senti destroçada por dentro."

Em Bruxelas, a líder bielorrussa diz que a sentença traduz um desejo de vingança de Lukashenko:

"É difícil imaginar, é impossível imaginar este número de anos porque é a sentença mais longa que qualquer pessoa teve como prisioneiros políticos. E penso que é uma vingança pessoal contra o meu marido por ter conseguido organizar as pessoas à sua volta e conseguir criar pessoas... e talvez seja uma vingança contra mim."

Depois de uma onda de contestação nas ruas, neste momento, as principais figuras da oposição bielorrussa estão detidos ou no exílio.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Alterações propostas à Constituição na Bielorrússia podem manter líder até 2035

Morreu cidadão lituano detido na Bielorrússia

Prisioneiro político bielorrusso morre por alegada falta de cuidados médicos