EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Hospitais franceses à beira do esgotamento

Hospitais franceses à beira do esgotamento
Direitos de autor AFP
Direitos de autor AFP
De  Ricardo Figueira
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Nova variante do Sars-Cov2 está a causar uma catadupa de novos pacientes nas UCI dos hospitais, muitos deles (os mais graves) sem vacina.

PUBLICIDADE

A nova vaga de Covid-19 causada pela variante Ómicron do vírus SarsCov-2, aliada à resistência de muitos às vacinas, está a causar novos episódios de quase esgotamento nas unidades de cuidados intensivos em França, como foi possível constatar em hospitais como o Delafontaine em Saint-Denis, nos arredores de Paris. Os pacientes de Covid ocupam mais de metade das camas destas unidades, o que retira meios a outros serviços onde são também necessários. Os médicos deixam um aviso: As pessoas devem vacinar-se.

Yohann Mourier, vice-diretor do hospital, desabafa: "Hoje, as equipas conseguem aguentar-se, porque continua a fazer sentido vir trabalhar, apesar do desencorajamento e da exaustão. A particularidade desta quinta vaga é que há equipas que estão a gastar as últimas forças que têm para tratar, sobretudo, pacientes que poderiam não ter vindo cá parar se estivessem vacinados".

Há equipas que estão a gastar as últimas forças que têm para tratar, sobretudo, pacientes que poderiam não ter vindo cá parar se estivessem vacinados.
Yohann Mourier
Vice-diretor do hospital Delafontaine (Saint-Denis, Região de Paris)

Pacientes transferidos

Em certos locais, a catadupa de chegadas aliada à falta de meios está a obrigar à transferência de doentes para outros hospitais. Por exemplo, há pacientes que chegam ao hospital de Antibes, na Côte d'Azur, que estão a ser transferidos para Lille, no Norte de França, a mais de mil quilómetros. 

Para o pessoal hospitalar, há uma sensação de déjà-vu, como diz uma enfermeira: "É difícil, porque sentimos que estamos a voltar ao que vivemos há dois anos, em que houve cirurgias que tiveram de ser anuladas. Há pacientes que não estão a ser tratados como deveriam. Sobretudo, tivemos de interromper as nossas férias para fazer face a esta nova vaga", diz.

Os números da Covid-19, em França, atingiram recordes consecutivos esta semana, em termos de novos casos e o governo anunciou medidas mais restritas para limitar a propagação do vírus. A nova variante é considerada mais contagiosa, mas também mais suave, sobretudo para aqueles que estão vacinados.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Incêndio de grandes proporções afeta empresa farmacêutica dinamarquesa Novo Nordisk

Homem que recebeu rim de um porco teve alta hospitalar

Canábis pode ajudar a travar cancro da pele