This content is not available in your region

Zelenskyy denuncia crimes de guerra em Mariupol

Access to the comments Comentários
De  Rodrigo Barbosa  com AFP / AP
euronews_icons_loading
Destruição em Mariupol, Ucrânia
Destruição em Mariupol, Ucrânia   -   Direitos de autor  Evgeniy Maloletka/Copyright 2022 The Associated Press. All rights reserved

O presidente ucraniano diz que o cerco da cidade portuária de Mariupol ficará marcado para a história pelos crimes de guerra cometidos pelas forças russos.

As autoridades locais afirmam que milhares de habitantes foram reencaminhados para a Rússia contra a sua vontade.

O Exército russo conseguiu cortar o acesso de Mariupol ao mar de Azov e a queda da cidade permitirá ligar a Crimeia, anexada pela Rússia em 2014, aos territórios orientais controlados por separatistas apoiados por Moscovo.

Kharkiv, no noroeste do país, também continua sob bombardeamentos incessantes e, só na cidade, há a deplorar pelo menos 500 mortos desde o início da invasão, segundo números oficiais avançados pelas autoridades ucranianas.

Face a um conflito que se prolonga e negociações lentas, Kiev apelou à China para tomar uma posição e "condenar a barbárie russa".

A capital ucraniana também registou novos ataques e está cada vez mais fortificada face à eventualidade de um assalto russo em larga escala.

Os residentes, em particular mulheres e crianças, que continuam na cidade procuram cada vez mais abrigo em estruturas subterrâneas.

A presidência ucraniana indicou que até ao momento 180.000 pessoas puderam fugir de áreas de guerra através de corredores humanitários, mas acusou a Rússia de "bloquear" a entrada de assistência "em particular para zonas sensíveis".

Tenho a certeza de que percebem que as negociações não são fáceis e agradáveis, mas são necessárias pois é uma questão de vida.

A Ucrânia sempre procurou uma solução pacífica e agora está mais do que nunca interessada na paz, porque conta cada morte, cada família arruinada e cada casa destruída.
Volodymyr Zelenskyy
presidente da Ucrânia

Junto ao Mar Negro, outra das principais cidades portuárias da Ucrânia, Odessa, também se prepara para o avanço das forças russas.

Segundo os peritos, depois de capturar Mariupol e cercar Kiev, o assalto sobre Odessa será um dos grandes objetivos do Exército russo.