This content is not available in your region

Cruz Vermelha com dificuldade em entrar em Mariupol

Access to the comments Comentários
De  Euronews
Cruz Vermelha com dificuldade em entrar em Mariupol
Direitos de autor  Efrem Lukatsky/The Associated Press.

Uma caravana de 21 autocarros liderada pela Cruz Vermelha Internacional deixou, esta segunda-feira, da cidade de Zaporizhzhia, na Ucrânia, rumo a Mariupol, onde cerca de 350 mil pessoas permanecem cercadas há semanas pelas tropas russas, sem acesso a água, nem a eletricidade. 

O objetivo da caravana é regressar com todos os lugares preenchidos, mas o acesso à cidade está vedado.

Aos jornalistas, o presidente da Federação Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho (IFRC), Francesco Rocca, disse que "a situação em Mariupol é muito difícil. Não temos acesso em Mariupol. E quando falamos de acesso humanitário, não se trata apenas de evacuação, mas também de logística. Trata-se de trazer apoio, comida".

Rússia diz estar a prestar ajuda humanitária em Khakiv

Em Kharkiv, mais a norte, centenas de soldados e voluntários estão barricados prontos a travar eventuais incursões do exército russo. 

Nas trincheiras e pontos de controlo, o medo é uma constante com que os soldados ucranianos têm aprendido a viver.

"Primeiro, foi realmente assustador, foi ensurdecedor, abriguei-me na cave. Não consigo descrever os meus sentimentos em palavras, o medo pela minha família", revela um dos oficiais.

Os ataques deste domingo à cidade mataram pelo menos cinco civis, entre os quais uma criança.

Sob permanentes bombardeamentos ao longo das últimas semanas, Kharkiv viu muitas das áreas residenciais da cidade destruídas e vive em precária situação humanitária. Em imagens divulgadas pelo Ministério da Defesa da Rússia soldados russos estão a distribuir bens de primeira necessidade a habitantes da região.