EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Emmanuel Macron confiante em conseguir o segundo mandato

 Emmanuel Macron
Emmanuel Macron Direitos de autor Ludovic Marin/AP
Direitos de autor Ludovic Marin/AP
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Líder do movimento "Em Marcha" e atual presidente alertou para o "perigo extremista" dos adversários

PUBLICIDADE

Em 2017, Emmanuel Macron tornou-se, aos 39 anos, o presidente francês mais jovem alguma vez eleito. Prometeu renovar a vida política e ultrapassar a divisão entre a esquerda e a direita. Volta agora a disputar uma segunda volta com a líder da extrema-direita Marine Le Pen.

Cinco anos mais tarde, os críticos de Macron falam de um "presidente dos ricos" e de um "presidente camaleão". O seu mandato fica marcado por várias crises, incluindo a dos coletes amarelos, que em 2018, mergulhou França no caos.

Num país enfraquecido por dois anos de pandemia, é grande a desilusão para quem esperava um reequilíbrio social e ecológico. Macron alimentou a posição como Chefe de Estado na cena internacional, e como defensor da União Europeia.

À boleia do estatuto de favorito, entrou tarde na campanha eleitoral, já em plena guerra na Ucrânia. Segundo as sondagens, beneficiou do papel de mediador do conflito, mas à medida que as eleições se aproximavam, as preocupações políticas internas e especialmente o poder de compra dos franceses assumiram um lugar de destaque.

O final da campanha ficou marcado com a polémica relacionada com o aumento do uso de consultorias externas por parte do governo.

Nos últimos comícios, Macron alertou para a contaminação do debate pela extrema-direita, disse que o perigo extremista hoje em dia é ainda maior porque durante vários meses e vários anos, “o ódio e verdades alternativas tornaram-se comuns no debate público”.

Há cinco anos, Emmanuel Macron disse que queria fazer tudo o que estivesse ao seu alcance para garantir que os franceses não teriam "mais razões para votar nos extremos". Um objetivo que parece claramente falhado.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Diplomacia em tempo de guerra

Tribunal da Relação condena Sarkozy a um ano de prisão, com seis meses de pena efetiva

Eleições europeias: O que é que os eleitores querem e o que é que os candidatos prometem?