Entregadores de refeições vencem batalha de uma longa guerra

Estafeta da Deliveroo em Londres, durante greve em 2021
Estafeta da Deliveroo em Londres, durante greve em 2021 Direitos de autor Alastair Grant/AP
De  Ricardo Figueira
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Um tribunal francês condenou a Deliveroo a uma pesada multa por não reconhecer os estafetas como seus empregados. A sentença pode ser uma caixa de Pandora.

PUBLICIDADE

Um tribunal de França proferiu uma sentença que pode ser histórica para os estafetas que trabalham nas plataformas de entrega de comida. A Deliveroo, empresa francesa deste setor, foi multada em 375 mil euros, o montante máximo previsto, por trabalho dissimulado. O tribunal concluiu que quem trabalha a entregar refeições para esta plataforma deve ser reconhecido como empregado, fazendo descontos para a Segurança Social e tendo direito a férias pagas, e não como trabalhador independente ou prestador de serviços.

Este foi o primeiro processo em tribunal, no país, relacionado com este relativamente novo segmento da economia, que se desenvolveu desde há alguns anos e popularizou com a pandemia de Covid-19.

Alguns testemunhos em tribunal deram conta de pressões, vigilância e repreensões por parte da empresa em relação aos estafetas, o que segundo a sentença revela uma relação entre empregado e empregador. A Deliveroo promete recorrer da decisão.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Criança de 7 anos morre em naufrágio de barco com migrantes que tentava atravessar Canal da Mancha

Dezenas de detidos depois de agricultores franceses bloquearem a circulação nos Campos Elísios

Tráfico de droga e tiroteios em Marselha: será que a situação está fora de controlo?