Maré negra no coração das Galápagos

Operações de limpeza das águas nas Galápagos
Operações de limpeza das águas nas Galápagos Direitos de autor AFP
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O naufrágio de um barco de turismo derramou milhares de litros de combustível, na costa da ilha de Santa Cruz, no coração das ilhas Galápagos

PUBLICIDADE

O Equador lançou um plano de contingência e reparação ambiental após um naufrágio no coração do arquipélago das Galápagos,

Segundo a Direção do Parque Nacional das Galápagos (PNG) o barco turístico "Albatros" naufragou na Baía Academia, na ilha de Santa Cruz. Há várias manchas de gasóleo espalhadas na zona. 

O barco continha mais de nove mil litros de combustível no momento do naufrágio. De acordo com o proprietário/gestor do navio, um tubo rebentado terá sido a possível causa do afundamento do navio.

O PNG, que pertence ao Ministério do Ambiente do Equador, indicou que após confirmação da presença de uma "mancha superficial de combustível em vários pontos da baía", as atividades aquáticas foram suspensas em alguns locais para os visitantes de Santa Cruz.

Esta não é a primeira vez que um derrame de combustível afeta este santuário de biodiversidade.

Em dezembro de 2019, uma barcaça contendo 2.700 litros de gasóleo afundou-se na ilha de San Cristóbal, a ilha mais oriental do arquipélago, o que desencadeou um plano de contingência para proteger os delicados ecossistemas do arquipélago localizado a cerca de 1.000 quilómetros a oeste da costa continental do Equador.

Em 2001, um pequeno petroleiro encalhou perto de Puerto Baquerizo Moreno, em San Cristóbal, enquanto transportava cerca de 900 toneladas de combustível, contaminando várias áreas próximas ao derramar mais de 600 mil litros de gasóleo.

As Ilhas Galápagos são consideradas um santuário natural devido à sua rica biodiversidade, com espécies únicas no planeta, o que levou a que fossem declaradas o primeiro Património Mundial da UNESCO em 1978

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Poluição dos oceanos em debate na Conferência Ministerial da Organização Mundial do Comércio

Beber água da chuva: Seguro ou perigoso?

Espiral de violência no Equador