This content is not available in your region

Diretor da AIEA diz que ocupação da central nuclear de Chernobyl pela Rússia foi muito perigosa

Access to the comments Comentários
De  Euronews
euronews_icons_loading
Rafael Mariano Grossi
Rafael Mariano Grossi   -   Direitos de autor  Francisco Seco/Copyright 2022 The Associated Press. All rights reserved

De visita a Chernobyl por ocasião dos trinta e seis anos desde o desastre nuclear, o diretor-geral da Agência Internacional de Energia Atómica, Rafael Mariano Grossi, afirmou que podia ter acontecido um novo acidente, quando o complexo foi ocupado pelas forças russas em Fevereiro passado.

Situada a cerca de 100km de Kiev, a central da cidade-fantasma foi ocupada por tropas russas a 24 de fevereiro, até à sua retirada nos fins de março, quando o foco da ofensiva se mudou da capital para o leste da Ucrânia.

Não sei se estivémos perto de uma catástrofe mas a situação foi absolutamente irregular e muito, muito perigosa. Houve uma série de eventos que punham em risco a operação normal de qualquer central nuclear. Esses foram evitados. Mas é claro que a situação não é estável. Por isso, temos que nos manter em alerta.
Rafael Mariano Grossi, diretor-geral da Agência Internacional de Energia Atómica

Rafael Mariano Grossi referiu que, depois da ocupação das instalações, há muitas reparações e trabalho a ser feito, em colaboração com a autoridade reguladora da Ucrânia, para avaliar os níveis de radiação e a segurança.

Segundo a informação avançada pelo regulador ucraniano à agência em fevereiro, as altas medições de radiação na central podem ter sido causadas pela passagem de veículos militares pesados, que agitavam o solo ainda contaminado do acidente de 1986.

As forças russas continuam a controlar uma central nuclear em funcionamento em Zaporizhzhia, no sul da Ucrânia.