This content is not available in your region

Transnístria teme chegada da guerra

Access to the comments Comentários
De  Euronews
euronews_icons_loading
Sede do Grupo Operacional das Forças Russas em Tiraspol, Transnístria
Sede do Grupo Operacional das Forças Russas em Tiraspol, Transnístria   -   Direitos de autor  Dmitri Lovetsky/Copyright 2021 The Associated Press. All rights reserved

O receio da chegada da guerra invadiu a Transnístria. Após as explosões desta semana, perdem-se de vista as filas de carros que tentam sair da região separatista apoiada pela Rússia rumo à Moldávia.

Com a escalada da guerra no sul da Ucrânia, país vizinho, os habitantes do enclave russófono temem repercussões. Muitos decidiram partir antes de o conflito lhes poder bater à porta.

É o caso de Victoria. Grávida, diz estar muito alarmada. "Não sabemos o que fazer em diferentes cenários, porque nunca passámos por algo assim", afirma.

Para quem mora na Transnístria, a Moldávia é a única saída possível para fugir à guerra. O percurso conta agora com a passagem por vários postos de controlo militar em Tiraspol, a principal cidade da região.

Também Alex, reconhece aos 50 anos que "a situação nesta fronteira é muito difícil e na Transnístria a situação é má, porque todos têm medo que a guerra comece nesta região". 

Moscovo reage à escalada de tensão

Perante os receios do alastramento da guerra, a porta-voz do ministério russo dos Negócios Estrangeiros, Maria Zakharova, considerou as explosões no enclave "atos de terrorismo destinados a desestabilizar a situação na região", disse esperar "uma investigação exaustiva e objetiva de todas as circunstâncias do que aconteceu" e "condenou veementemente as tentativas de envolver a Transnístria no que está a acontecer na Ucrânia".

Recentemente um alto comandante do exército russo afirmou que, ao estabelecer o controlo sobre o sul da Ucrânia, Moscovo garante "outra rota" para a região separatista, onde as tropas russas têm estado estacionadas desde o colapso da União Soviética.