This content is not available in your region

Ataque a Teatro de Mariupol terá matado 600 pessoas

Access to the comments Comentários
De  Euronews  com AP
euronews_icons_loading
Teatro de Mariupol, antes e depois
Teatro de Mariupol, antes e depois   -   Direitos de autor  AP/Satellite image ©2022 Maxar Technologies

Seis centenas de pessoas terão morrido no ataque aéreo das forças russas ao teatro de Mariupol. A conta é feita pela agência de notícias norte-americana Associated Press, que, após uma investigação conduzida na cidade, conclui que, naquele edifício, morreram o dobro das pessoas originalmente calculado pelas autoridades locais.

A nova investigação teve em conta relatos de vários sobreviventes, socorristas e pessoas que conheciam bem o teatro ucraniano. 

Maria Kutnyakova estava alojada no teatro com a família, mas tinha saído quando o edifício foi bombardeado. Hoje, é uma das sobreviventes a partilhar a sua visão de como foram aqueles dias.

"Esta foi a última constatação de que não estão em guerra com o exército, estão em guerra com todos os ucranianos, com todos os residentes de Mariupol. Eles não vieram para capturar a cidade. Vieram para destrui-la".

Fotografias, vídeos e plantas mostram que o edifício em causa era composto por uma cave e três andares.

Yulia Marukhnenko vivia perto do teatro e conhecia bem as instalações. Após o ataque, correu para o local para ajudar.

"Morreram pessoas que estavam nos andares superiores. Aqueles que se escondiam longe das janelas e estavam nos camarins no andar de cima, no segundo e terceiro andares. Era aí que dormiam, onde ficavam. Quando o míssil atingiu o edifício, devem ter sido mortos instantaneamente. E depois, todo o edifício ruiu para a cozinha improvisada, onde também havia muita gente", conta.

A maioria dos sobreviventes garante que o edifício estava lotado de civis que ali procuravam refugiar-se dos bombardeamentos, quando, a 16 de março, o exército russo reduziu o teatro de Mariupol a escombros.

O teatro, um edifício de pedra com pilares brancos, um friso clássico, e um distinto telhado vermelho, foi figura central de uma praça no coração de Mariupol durante mais de 60 anos, 

Em tempos foi conhecido como Teatro Dramático Russo, mas as autoridades locais retiraram a palavra "russo" do nome em 2015. Em julho passado, ordenaram que todas as atuações fossem realizadas em ucraniano.

Com o início da invasão russa, a 24 de fevereiro, cedo a cidade ordenou que todo o edifício fosse aberto como abrigo anti-bombas, tendo em conta o seu tamanho, as suas paredes invulgarmente robustas e a sua grande cave. No primeiro dia, cerca de 600 pessoas apareceram, para se refugiarem dos bombardeamentos.

Cerca de uma semana antes do ataque, o cenógrafo do teatro usou tinta branca para escrever a palavra "CRIANÇAS" em letras cirílicas no pavimento exterior, na esperança de evitar um bombardeamente. Os sinais, pintados tanto nas entradas da frente como nas traseiras, eram suficientemente grandes para serem lidos mesmo a partir de satélites.