Ryanair cria polémica com os testes de língua africânder

Avião da Ryanair
Avião da Ryanair Direitos de autor Martin Meissner/AP
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A Ryanair está a ser alvo de críticas e acusações de racismo por obrigar os sul-africanos que viajam para o Reino Unido a fazerem testes de africânder

PUBLICIDADE

A decisão da Ryanair de submeter os cidadãos sul-africanos que viajam para o Reino Unido a testes de língua africânder está a gerar fortes críticas.

No Twitter chovem as acusações de práticas discriminatórias.

A companhia aérea irlandesa confirma os testes e explica, num comunicado enviado à AFP: "Devido à elevada prevalência de passaportes sul-africanos fraudulentos, é pedido aos passageiros que viajam para o Reino Unido que preencham um formulário simples em africânder. Se não conseguirem completá-lo, a viagem será recusada e reembolsada".

As autoridades britânicas já esclareceram que não se trata de uma exigência do Reino Unido.

A África do Sul tem 11 línguas oficiais. O africânder, a língua deixada pelos colonos holandeses, é a terceira mais falada e está associada ao regime de apartheid, que terminou em 1994.

A Ryanair não tem voos para a África do Sul.

Entre os comentários no Twitter, há quem publique que o teste inclui perguntas como "quem é o presidente da África do Sul" e "qual é a maior cidade da África do Sul".

Há também quem mostre indignação, salientando que o africânder era a língua dos colonos brancos, num país com uma população predominantemente negra e acusando a Ryanair de "racismo".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Greves lançam Europa no caos

Greve na Lufthansa afeta 100 mil passageiros

Pessoal de terra da Lufthansa faz greve em cinco aeroportos da Alemanha