Putin alerta para "catástrofe iminente" em Zaporíjia

Central nuclear de Zaporíjia, na Ucrânia
Central nuclear de Zaporíjia, na Ucrânia Direitos de autor AP
De  Ricardo Figueira
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Numa conversa telefónica com o presidente francês, Vladimir Putin pede uma intervenção "rápida" da AIEA na central ucraniana. Mas a Rússia coloca condições e recusa desmilitarizar a zona.

PUBLICIDADE

Vladimir Putin quer uma intervenção da Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA) na central nuclear de Zaporíjia, na Ucrânia, com a "maior brevidade", segundo disse esta sexta-feira ao presidente francês Emmanuel Macron. Na troca de palavras entre os dois chefes de Estado, divulgada pelo Eliseu, Putin alertou ainda para a iminência de "uma catástrofe de grandes dimensões" na central, se continuarem os bombardeamentos pelos quais culpa a Ucrânia.

A central nuclear de Zaporíjia está no centro, não só dos combates do terreno, como da mais recente guerra de palavras entre a Rússia, a Ucrânia e as instituições internacionais.

Enquanto Kiev e Moscovo se acusam mutuamente de ataques que podem ter consequências catastróficas e causar um acidente nuclear. As Nações Unidas exigem uma desmilitarização da zona, mas a Rússia rejeita. Diz que "retirar as tropas de Zaporíjia iria desproteger a central" e torná-la vulnerável ao que diz serem "ataques terroristas", nas palavras do representante permanente da Rússia na ONU, Vassili Nebezya.

Retirar as tropas de Zaporíjia iria desproteger a central e torná-la vulnerável a ataques terroristas.
Vassili Nebezya
Representante permamente da Rússia na ONU

A necessidade de desmilitarizar a central e permitir a entrada de inspetores da Agência Internacional da Energia Atómica foi reafirmada esta quinta-feira pelo secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, em Lviv, num encontro com os presidentes da Ucrânia e da Turquia.

Tal como reafirmado esta sexta-feira por Putin, a Rússia aceita uma missão da AIEA na central, mas impõe condições. O representante permanente de Moscovo nas Instituições Internacionais em Viena, Mikhail Ulyanov, diz que "é cedo para falar das modalidades da missão e isso está ainda em discussão - pontos como o número de pessoas envolvidas, a duração da missão ou as tarefas que os enviados vão executar".

Também o secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, exige uma missão para inspecionar a central. O lado ucraniano aceita a proposta, a chave está agora nas negociações com Moscovo.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Um morto e doze feridos em ataque russo a Poltava na Ucrânia

Chéquia quer apostar na energia nuclear e deixar carvão até 2033

Kremlin diz que ataque à central nuclear de Zaporíjia é "provocação perigosa" da Ucrânia