Conselho da Europa: Rússia é "Estado patrocinador do terrorismo"

Access to the comments Comentários
De  Euronews
Mísseis a serem disparados na Ucrânia
Mísseis a serem disparados na Ucrânia   -   Direitos de autor  AP/Russian Defense Ministry Press Service

A assembleia parlamentar do Conselho da Europa apelou aos 46 Estados membros para reconhecerem a Rússia como um "Estado patrocinador do terrorismo".

A resolução foi aprovada com apenas uma abstenção, minutos após um discurso emocionado do presidente ucraniano.

Volodymyr Zelenskyy disse: "A Rússia quer usar apenas a linguagem do terror. Isto é um facto. Este facto deve ser reconhecido a todos os níveis - político, judicial e no campo de batalha na Ucrânia, apoiando as nossas capacidades de defesa. Estou grato que a Assembleia Parlamentar do Conselho da Europa (APCE) possa tornar-se a primeira organização internacional a definir a Rússia como um Estado terrorista".

Questionado sobre a resolução, que também apela à criação de um tribunal internacional para julgar os crimes de guerra perpetrados pela Rússia na Ucrânia, o diretor geral do Conselho para os Assuntos Internacionais da Rússia disse: "Bem, isso deveria perguntar ao presidente Putin, mas a minha opinião é que ele não pode agora afirmar que a Rússia foi capaz de libertar de alguma forma a população russófona do Donbass, que estas pessoas podem sentir-se seguras neste momento e, além disso, que à Rússia se juntou um grande número de pessoas pró-russos no sul da Ucrânia".

A Assembleia reunida em Estrasburgo também pede que as negociações de paz decorram apenas de acordo com as condições de Kiev.

Durante a sua intervenção por videoconferência, o presidente ucraniano aproveitou para exortar mais uma vez os governos a fornecer à Ucrânia mais sistemas de defesa aérea, uma vez que estima que a Ucrânia "tem apenas dez por cento do material de que necessita para se defender", especialmente à luz dos últimos bombardeamentos russos.

Zelenskyy apelou também à continuação dos esforços para isolar Moscovo e cortar as suas vias de financiamento da guerra, para que a Rússia não tenha dúvidas sobre o preço que terá de pagar pela continuação da guerra.

Tais medidas, segundo Zelenskyy, são "um passo fundamental para acabar com a guerra num futuro próximo".

Numa nota mais otimista, o chefe do Estado ucraniano saudou o facto de este momento histórico ter fortalecido a Europa de uma forma "sem precedentes".