EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

40 anos para assassinos confessos de jornalista maltesa

Alfred, George Degiorgio e Vince Muscat são co-autores do assassinato da jornalista maltesa
Alfred, George Degiorgio e Vince Muscat são co-autores do assassinato da jornalista maltesa Direitos de autor euronews
Direitos de autor euronews
De  euronews
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

No primeiro dia de julgamento, os irmãos Degiorgio surpreenderam o tribunal e declararam-se culpados da morte de Daphne Caruana Galizia

PUBLICIDADE

Em menos de 24 horas, começou e terminou o julgamento dos agora assassinos confessos da jornalista maltesa Daphne Caruana Galizia.  O juiz condenou os irmãos Degiorgio a 40 anos de prisão. Alfred e George tinham-se declarado inocentes até esta sexta-feira. EStatuto que repetiram de manhã, na abertura da primeira sessão do julgamento. À tarde, pediram para mudar o estatuto e declararam-se culpados.

Vince Muscat escapou ao julgamento por confessar a co-autoria da explosão do carro da jornalista em 2017. Assinou um acordo e encontra-se a cumprir 15 anos de prisão.

Daphne Caruana Galizia teve morte imediata com a explosão de uma bomba colocada debaixo do assento no carro que conduzia - faz este domingo 5 anos.

A reporter investigava na altura as ligações da classe política maltesa aos Panama Papers, descobrindo vários casos de corrupção e escândalos envolvendo a mafia.

O Ministério Público alega que os dois irmãos foram contratados por Yorgen Fenech ,um homem de negócios maltês com ligações ao governo. É um processo separado que ainda não começou a ser julgado.

A morte da jornalista de 53 anos chocou a opinião pública e levou à demissão do então primeiro-ministo Joseph Muscat.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Opositor de Orbán mobiliza milhares em manifestação anti-governo

Europol identificou as 821 redes criminosas mais perigosas da Europa

Novo inimigo político de Orbán divulga alegadas provas de corrupção