EventsEventosPodcast
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

General inverno aproxima-se da Ucrânia sem medo das tropas russas

Com as temperaturas a descerem na Ucrânia, a falta de eletricidade e gás é um problema grave
Com as temperaturas a descerem na Ucrânia, a falta de eletricidade e gás é um problema grave Direitos de autor AP Photo/Francisco Seco
Direitos de autor AP Photo/Francisco Seco
De  Nara Madeira
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Várias cidades ucranianas preparam-se para a chegada do inverno sem gás nem electricidade.

PUBLICIDADE

As bombas continuam a cair em várias cidades ucranianas, outras permanecem sitiadas, mas a preocupação, hoje, é saber como sobreviver ao inverno

Bakhmut esteve cercada por forças russas durante semanas mas permanece sob controlo ucraniano. Diz-se que 10.000 pessoas estão sem gás nem eletricidade. A temperatura já ronda os zero graus Celsius, em breve descerá aos -20. Ali, faz-se o possível para encontrar soluções.

"O tempo frio traz doenças, gripes, especialmente aos mais velhos, que são mais fracos e já não há medicamentos aqui".
Yura Sokorov
Voluntário ucraniano

A cerca de 50 quilómetros fica Sloviansk, mais longe da linha de guerra, mas o inverno não poupa ninguém. Para se aquecerem, as famílias dependem da lenha distribuída pelo município.

Ludmilla Abramenko, residente desta localidade, teve de repensar o quotidiano. Cozinhar já não é o que era, porque não têm eletricidade nem gás. A solução é um regresso ao passado, não ao dela, naturalmente. Uma fogueira, no exterior da casa, faz de fogão. A roupa e os cobertores permitem-lhes ultrapassar o frio. Uma situação pela qual jamais pensou passar, nem nos seus "piores pesadelos".

A 17 de setembro os russos bombardearam a central térmica da cidade, privando 200.000 habitantes de eletricidade e gás. 

O hospital também não tem aquecimento mas a situação vai mudar. A lenha vai aquecer doentes e pessoal hospitalar, como explicava a diretora desta unidade. Hoje, já não temem o Inverno mas que há outras ameaças que pairam no ar e que esperam não aconteçam, como um ataque russo. "Podemos construir tudo o que quisermos, mas eles podem atingir-nos na mesma", desabafava Valentyna Glushenko.

A situação repete-se em várias cidades do território ucraniano. Quanto às populações, elas preparam-se e esperam que o "general" inverno lhes dê as tréguas que, por agora, a Rússia não dá.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Bielorrussos na Polónia treinam para combater pela Ucrânia

UE reforça apoio militar à Ucrânia

Combates aumentam de intensidade no leste da Ucrânia