Qatar desperta com ideias empreendedoras antes do Campeonato do Mundo

De  Euronews
Qatar desperta com ideias empreendedoras antes do Campeonato do Mundo
Direitos de autor  euronews

Com um número estimado de 1,5 milhões de adeptos de futebol a descer ao Qatar em novembro para o Campeonato do Mundo, existem muitas empresas ansiosas por mostrar aos visitantes estrangeiros o que o país tem para oferecer.

Uma experiência alimentar para toda a família

Quantas vezes nos encontramos todos numa praça de alimentação de um centro comercial, a tentar escolher um local para comer? Agora há uma aplicação para isso.

A Torre Tornado de West Bay é o lar de um "food court" virtual onde se pode navegar a partir de múltiplos menus de restaurantes e pagar numa única transacção.

Chama-se AND Experience e não é um local de almoço como os outros - é mais como dez restaurantes num só.

Ali Nasser Al-Saadi é o seu criador: "Um salão de comida híbrido virtual é basicamente onde operamos diferentes marcas sob o mesmo teto, onde um cliente pode entrar e encomendar de diferentes cozinhas sob a mesma transação", explica.

Pense numa praça de alimentação: A mãe quer pizza, o pai quer uma salada e as crianças querem massa. A diferença é que todas as marcas aqui na AND Experience são propriedade de Ali Nasser Al-Saadi. A aventura começou em 2015 com minipanquecas na zona The Pearl, um bairro residencial familiar construído em ilhas artificiais, ao norte de Doha.

Al-Saadi disse que demorou cerca de um mês a espalhar-se, mas quando o fez, não demorou muito até estar a fazer 2000 minipanquecas a cada 10 minutos.

"Foi algo muito novo em Doha", recorda-se. "Ter um conceito qatari, gerir o negócio e estar lá no terreno. Virava panquecas, era o caixa, fazia tudo. E evoluiu".

Esse sucesso levou-o a abrir o AND Café. Depois, aconteceu o golpe pandémico. Preso a um contrato de arrendamento de um edifício por cinco anos, Al-Saadi precisava de um plano. Foi quando teve a ideia de transformar a sua cafetaria numa cozinha central. O AND Café transformou-se literalmente numa nova experiência de jantar, AND Experience.

"Temos o café, a massa, as suas asas, mas contamos também com pessoas que nos proporcionam cozinha da África Ocidental. Pegamos em marcas que as pessoas querem abrir e ajudamo-las a desenvolver-se, oferecendo-lhes um local, cozinha, cozinheiro e as ferramentas certas para que possam expandir o seu negócio".

Na maioria das cozinhas, um cozinheiro tem de dominar um menu. Mas aqui, há dez ementas diferentes para a equipa preparar - desde saladas e hambúrgueres até à cozinha italiana e senegalesa.

Bloggers de comida põem à prova o AND Experience

Dionne Lobo e Ian Marks iniciaram o seu **blogue alimentar**há cinco anos. O casal visita regularmente novos restaurantes em Doha e põe-nos à prova.

"Quando chegámos a Doha, as redes sociais não eram uma coisa tão grande", diz Dionne. "Ao longo deste período de tempo, em todo o mundo, as pessoas começaram a reagir mais aos bloggers, porque são mais personalizados, as pessoas identificam-se mais com eles do que com os críticos".  

Convidámos Dionne e Ian a experimentar o AND Experience. O seu veredicto: "Não se pode errar com o frango com manteiga", diz Ian. "O frango com manteiga foi espantoso". "As batatas foram boas", diz Dionne. "Muito diferente, não como as batatas habituais".

"Penso que as pessoas começaram a afastar-se dos franchisados e cadeias internacionais para aprenderem com outras pessoas e criarem coisas semelhantes de uma forma melhor", diz o fundador da AND Experience.

Al-Saadi espera acabar com as transações em dinheiro vivo no início do próximo ano e está também a desenvolver uma aplicação onde pode fazer a sua encomenda, obter um número de mesa e ter a sua comida entregue assim que chegar. Nada mau para um negócio que começou como um quiosque de panquecas, há apenas alguns anos.

Um império de negócios vegan

Como se constrói um império empresarial vegan? Há um homem no Qatar que sabe melhor do que a maioria - Ghanim al Sulaiti . O jovem fundador da Enbat Holdings criou sete empresas veganas de sucesso - desde restaurantes a cuidados com a pele.

"Eu não vim de um passado de negócios", conta. "Tive de aprender tudo desde o início. Tive de me imergir no processo. Por isso, o início foi muito emocionante. Estávamos a tentar criar um espaço que pudesse inspirar as pessoas, que pudesse revolucionar a forma como as pessoas comem no Qatar, porque sentíamos que as pessoas no Qatar não estavam conscientes quando se tratava dos nossos hábitos alimentares e de como a comida estava a afetar a nossa saúde. Seis anos mais tarde, já não é um pequeno negócio. Estamos a falar de 13 locais de alimentação e bebidas. Estamos a falar de dois spas que estão totalmente operacionais. Estamos a falar de 250 funcionários e membros da nossa equipa. Digo sempre às pessoas que Doha está agora a tornar-se a cidade mais vegetariana do mundo. Estou a compará-la a Nova Iorque e L.A. e Londres e Paris, porque tem 13 locais de restaurantes veganos em redor da cidade".

Ghanim acredita que o veganismo é mais do que apenas uma dieta: "O veganismo é uma espécie de estilo de vida e é por isso que lhe chamo um movimento, porque não se limita à comida", diz. "Vai para além disso. Vai para as quintas. Vai para a forma como tratamos os animais, para a forma como nos vestimos todos os dias. Portanto, penso que ser vegano é ser a melhor versão de si próprio no momento atual, com a atual situação global".

Um dos locais de Ghanim é **Evergreen Organics,**no centro comercial Gate Mall. Combina uma loja integrada num restaurante.

A ideia aqui é criar uma fuga para as pessoas que andam no centro comercial, que ficam assim rodeadas por plantas e vegetação", conta o fundador. "Evergreen é um tipo de experiência gastronómica para todo o dia. Pequeno-almoço, almoço e jantar. Temos à volta de 70 itens no menu. Mas, ao mesmo tempo, temos um belo supermercado. A ideia é encorajar as pessoas a comprar localmente porque temos muitos produtos locais e colaboramos com empresas locais e quintas locais para fornecer comida realmente boa".

Também no Gate Mall está Mylk, uma geladaria vegan e chocolataria.

"Tentámos desenhá-la de forma a refletir a beleza do design escandinavo", diz Ghanim. "Mas ao mesmo tempo, assegurando que reflete simplicidade e permite às pessoas desfrutar de um tipo diferente de espaço quando se trata de veganismo, e não parece um lugar vegano. Mas para nós, este é mais ou menos o objetivo por detrás do conceito".

Há toda uma oferta de serviços: Green & Go, para agarrar o que precisa rapidamente, Evergreen, onde as pessoas podem levar o seu tempo um pouco mais, e Mylk para guloseimas que ainda são saudáveis.

"É um ecossistema de negócios, por isso cada negócio complementa o outro negócio", diz Ghanim. "Green & Go é para as pessoas em viagem, no metro, Evergreen é mais para uma pausa num fim-de-semana. Mylk é mais quando lhe apetece um doce ou sente um desejo. Por isso, cada conceito alimenta o lugar certo para o público certo".

A preparação para o legado do Campeonato do Mundo

Com um número estimado de 1,5 milhões de adeptos de futebol a descer ao Qatar em novembro para o Campeonato do Mundo, há muitas oportunidades para empresas capitalizarem os visitantes estrangeiros interessados em experimentar o que o país tem para oferecer.

Em 2015, o Comité Supremo de Entrega e Legado - a organização responsável pelo planeamento do Qatar 2022 - lançou um convite aberto às empresas para desenvolverem projetos que poderiam eventualmente desempenhar o seu papel no Campeonato Mundial de Futebol da FIFA. Essa iniciativa foi chamada Challenge 22.

"Queríamos inspirar as pessoas que utilizam o Campeonato Mundial da FIFA e fazer com que os seus produtos e serviços fizessem parte da viagem global e do próprio torneio", diz Ahsan Mansoor, diretor de Fãs e Embaixadores no Comité Supremo. "Esperamos, para além disso, que as pessoas continuem também a olhar para os megaeventos como uma inspiração para a inovação".

Pedras de pavimentação solar

Doze empresas regionais foram finalmente anunciadas como vencedoras, incluindo a SunPave  . Cofundada pelo engenheiro Mohammad Al Gammal, a ideia é bastante invulgar: painéis solares sobre os quais se pode caminhar.

"O que é especial nos nossos produtos é que eles permitem a liberdade de instalar painéis solares sem dificultar ou interferir com a utilização do espaço", diz ele. "Assim, não é necessário instalar molduras nem mexer com a paisagem e a arquitetura dos locais. Em vez disso, utilizamo-los apenas como pedras de calçada e o seu espaço ainda é utilizável".

Como parte do legado do Challenge 22, o Estádio Al Thumama terá painéis solares SunPave instalados antes do Campeonato Mundial da FIFA numa área dedicada fora do estádio.

"Durante o período do Campeonato Mundial, a direção do estádio decidiu que parte desta energia será direcionada para a alimentação de uma área de carga eletrónica onde as pessoas podem sentar-se para relaxar um pouco e talvez recarregar os seus aparelhos", diz Mohammad.

O Mercado das experiências

Outro projeto de planeamento do Desafio 22 para atender os visitantes de uma forma diferente é a aplicação turística ViaVii. Originalmente criada no Líbano, oferece aos visitantes um balcão único para acederem a diferentes destaques locais.

"É uma plataforma de mercado experimental onde os curadores podem listar as suas experiências online", diz a diretora de operações da ViaVii, Faiha Sahirah.

"Ligamos aqueles que querem procurar coisas novas, encontrar coisas únicas e aventuras que não se encontram em mais lado nenhum com aqueles que podem prestar estes serviços".

A artista local Rima Abuharb foi contactada para estabelecer uma parceria com o ViaVii no ano passado.

"Para os visitantes do Mundial", diz Rima, "irei realizar mais workshops para que criem os seus próprios desenhos. Porque o que quero é que as pessoas explorem a sua imaginação".

A empresa trabalha com fornecedores de serviços que não são simplesmente encontrados através do Google, como Mohammed Al Sulaiti, cujos passeios de barco funcionam inteiramente à base do "boca em boca", ou uma quinta local que oferece dias em família.

A poucas semanas do início do maior evento desportivo do mundo e com milhões de olhos no Qatar, todos os vencedores do Challenge 22 esperam que os seus negócios satisfaçam uma necessidade no mercado que se estende muito depois do fim do torneio.