EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Membros da NATO pretendem restaurar a energia na Ucrânia

Jens Stoltenberg
Jens Stoltenberg Direitos de autor Vadim Ghirda/Copyright 2022 The AP. All rights reserved.
Direitos de autor Vadim Ghirda/Copyright 2022 The AP. All rights reserved.
De  Euronews com EFE
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

NATO quer ajudar a reparar infraestruturas energéticas danificadas pelos ataques russos

PUBLICIDADE

Os ministros dos negócios estrangeiros da NATO reafirmaram o compromisso com Kiev, na luta contra a agressão russa. Reunidos esta terça-feira em Bucareste, na Roménia, comprometeram-se a apoiar a Ucrânia na reparação das infraestruturas energéticas danificadas pelos bombardeamentos russos.

"Os aliados ajudarão a Ucrânia na reparação das suas infraestruturas energéticas e na proteção da sua população contra ataques de mísseis", disseram os ministros na declaração que adotaram no final do primeiro dia de reuniões em Bucareste.

Salientaram que a "agressão" da Rússia, incluindo os "ataques persistentes e inconscientes às infraestruturas civis e energéticas ucranianas", estão "a privar milhões de ucranianos de serviços humanos básicos".

Ao mesmo tempo, os aliados asseguraram que continuam "determinados a apoiar os esforços a longo prazo da Ucrânia na via de reconstrução e reforma do pós-guerra", para que o país possa "assegurar um futuro livre e democrático, modernizar o seu setor de defesa e dissuadir futuras agressões".

No documento, os 30 aliados expressaram também a "solidariedade" com a Polónia na sequência do "incidente" de um ataque com mísseis no seu território, que resultou na "trágica perda" de duas vidas "como resultado dos ataques com mísseis russos contra a Ucrânia".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

NATO disposta a pagar preço por apoiar a Ucrânia

Guerra está "perigosamente perto" das fronteiras da NATO

Maior hospital pediátrico de Kiev alvo de ataque russo