Bielorrússia vai reforçar futuras ofensivas russas

Kiev atacada com drones
Kiev atacada com drones Direitos de autor Iranian Army via AP
De  SASHA VAKULINA
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Instituto para o Estudo da Guerra destaca papel de Minsk na guerra

PUBLICIDADE

Fortes explosões abalaram a capital ucraniana nas primeiras horas da manhã desta segunda-feira: As autoridades afirmam que Kiev foi atingida por uma série de drones Shahed, de fabrico iraniano, que foram alegadamente lançados na costa oriental do mar de Azov.

A força aérea da Ucrânia diz ter abatido 30 dos 35 drones lançados pela Rússia. Segundo o chefe da inteligência militar da Ucrânia, os militares russos receberam um novo lote de drones de fabrico iraniano e continuam a negociar com Teerão a aquisição de sistemas de mísseis balísticos.

O Instituto para o Estudo da Guerra diz que a liderança militar russa está empenhada numa campanha para apresentar um aparelho de guerra eficaz. Para este grupo de reflexão com sede nos Estados Unidos, a reunião planeada de Vladimir Putin com o Presidente da Bielorrússia faz parte do mesmo esforço para apresentar proatividade e estabelecer uma estratégia de informação para uma nova fase da guerra.

O Instituto para o Estudo da Guerra considera que a capacidade dos militares russos, mesmo reforçada por elementos das forças armadas bielorrussas, para preparar e conduzir nos próximos meses operações ofensivas em larga escala continua a ser questionável.

Em outubro, o ministério da Defesa bielorrusso revelou que nove mil tropas russas estavam a deslocar-se para o país. Segundo Minsk, faziam parte de um "agrupamento regional" de forças para proteger as fronteiras. Esta segunda-feira, a agência de notícias russa Interfax, citando o ministério da Defesa russo, adiantou que as tropas que foram transferidas para a Bielorrússia em outubro para fazerem parte de uma formação regional irão conduzir exercícios táticos de batalhão.

O Instituto para o Estudo da Guerra acredita que Putin pode ordenar novas operações ofensivas em larga escala no final deste inverno, e sublinha a capacidades das forças russas ou a combinação de forças da Rússia e Bielorrússia para atingir os objetivos de Moscovo.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Guerra na Ucrânia e ambiente marcam cultura em 2022

Episódios que marcaram a guerra na Ucrânia

Rússia mantém pressão no Leste da Ucrânia