EventsEventosPodcast
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Voluntários ajudam as autoridades nas buscas por sobreviventes em Dnipro

Ataque russo contra edifício residencial em Dnipro.
Ataque russo contra edifício residencial em Dnipro. Direitos de autor أ ف ب
Direitos de autor أ ف ب
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Em Dnipro, no sudeste da Ucrânia, pelo menos 20 pessoas morreram e mais de 60 ficaram feridas, na sequência de um ataque russo, com recurso a um míssil, que atingiu um edifício residencial de nove andares.

PUBLICIDADE

Em Dnipro, no sudeste da Ucrânia, pelo menos 20 pessoas morreram e mais de 60 ficaram feridas, na sequência de um ataque russo, com recurso a um míssil, que atingiu um edifício residencial, de nove andares.

As autoridades continuam as buscas para procurar sobreviventes, numa altura em que vários moradores se uniram às forças de segurança para ajudar.

O Presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskyy, já se pronunciou após este ataque e garantiu que é possível deter o terror russo.

"É possível deter o terror russo? Sim, é. Isso pode ser feito de outra forma, que não no campo de batalha na Ucrânia? Infelizmente, não. E do que é que precisamos para isso? Das armas que os nossos parceiros têm nos seus armazéns, armas essas pelas quais os nossos guerreiros esperam”.

Outras cidadades ucranianas também foram alvo de bombardeamentos no sábado. Na região de Kharkiv, os ataques com mísseis russos atingiram infraestruturas e instalações industriais críticas, de acordo com o governador local.

Entretanto, na maioria das regiões da Ucrânia foram colocados em prática apagões de emergência devido à nova vaga de ataques russos.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Ataque russo em Dnipro fez pelo menos 30 mortos e mais de 70 feridos

Stoltenberg pede a membros da NATO que reconsiderem limites no envio de armas para a Ucrânia

Ataque aéreo a Kharkiv faz pelo menos sete mortos. Zelenskyy condena brutalidade russa