China apresenta plano de paz para a Ucrânia

Há um ano que a Ucrânia é bombardeada pela Rússia
Há um ano que a Ucrânia é bombardeada pela Rússia Direitos de autor AP/AP
De  euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

No primeiro aniversário da guerra na Ucrânia, a China apresentou um plano de paz, que surge dois dias depois de o chefe da diplomacia chinesa se ter reunido com o presidente russo, em Moscovo, e um dia depois de a China se ter abstido na votação de uma resolução da ONU a exigir a retirada russa.

PUBLICIDADE

No primeiro aniversário da guerra na Ucrânia, a China apresentou um plano de paz, que surge dois dias depois de o chefe da diplomacia chinesa se ter reunido com o presidente russo, em Moscovo, e um dia depois de a China se ter abstido na votação de uma resolução da ONU a exigir a retirada russa.

Constituído por doze pontos, o plano de paz reflete a ambiguidade que Pequim tem mantido desde que a guerra começou. A China apoia a soberania da Ucrânia, mas considera legítimas as preocupações de segurança da Rússia. E em nenhum momento fala de agressor ou agredido.

A China apela ao fim das hostilidades e a que as duas partes voltem às conversações de paz imediatamente.

A Ucrânia, pela voz de Zhanna Leshchynska, diplomata ucraniana na China, levanta dúvidas sobre a neutralidade da China:

"A China deve fazer tudo ao seu alcance para parar a guerra e restaurar a paz na Ucrânia e exortar a Rússia a retirar as suas tropas. Na minha opinião, se for neutra, a China deve conversar com os dois lados: Rússia e Ucrânia. Atualmente, vemos que o lado chinês conversa principalmente com a Rússia, mas não com a Ucrânia”.

O plano chinês propõe a manutenção da estabilidade das cadeias de abastecimento e ações para garantir a exportação de cereais.

Pequim também defende o aumento da ajuda aos refugiados e assistência à Ucrânia na reconstrução pós-conflito.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Xi Jinping em Moscovo para mostrar apoio a Vladimir Putin

"China não vai desempenhar papel na guerra da Ucrânia", diz perito

Ucrânia receia grande avanço russo no próximo verão