Olhos postos em Macron por causa de declarações polémicas sobre os EUA

Emmanuel Macron visitou a China onde se reuniu várias vezes com o presidente
Emmanuel Macron visitou a China onde se reuniu várias vezes com o presidente Direitos de autor Thibault Camus/AP Photo
Direitos de autor Thibault Camus/AP Photo
De  euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O presidente francês iniciou, esta terça-feira, uma visita de dois dias aos Países Baixos, na qual se espera que esclareça as declarações polémicas efetuadas na viagem à China, defendendo a "autonomia estratégica" da União Europeia em relação aos Estados Unidos.

PUBLICIDADE

O presidente francês iniciou, esta terça-feira, uma visita de dois dias aos Países Baixos, na qual se espera que esclareça as declarações polémicas efetuadas na viagem à China. Em entrevista ao jornal Les Echos, Macron tornou a defender a "autonomia estratégica" da União Europeia em relação aos Estados Unidos, sem seguir os interesses alheios na questão de Taiwan.

Washington reagiu de forma contida. "Existe muita cooperação bilateral fantástica apenas entre os Estados Unidos e a França. Estamos focados nisso. Estamos focados em garantir que juntos estamos a atingir os requisitos de segurança nacional dos nossos povos", afirmou o porta-voz do Conselho de Segurança Nacional da Casa Branca, John Kirby. 

A posição de Macron foi, entretanto, reforçada pelo ministro da Economia francês. Bruno Le Maire disse que o facto de a União Europeia ser aliada dos Estados Unidos, não significa que deva ser contra a China.

Horas depois de o chefe de Estado francês ter terminado a visita à China, Pequim anunciou três dias de exercícios militares em redor de Taiwan, incluindo um "cerco total da ilha". Esta foi a resposta à reunião da presidente de Taiwan com o líder da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

"Estado da União": Macron testou unidade europeia sobre China

Sete pessoas julgadas por fornecer droga suicida a mais de 600 pessoas nos Países Baixos

Greta Thunberg detida pela polícia durante um protesto nos Países Baixos