EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

EUA instam a Turquia a aprovar a adesão da Suécia à NATO

Antony Blinken, Secretário de Estado dos EUA
Antony Blinken, Secretário de Estado dos EUA Direitos de autor AP Photo
Direitos de autor AP Photo
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Os EUA consideram que a Suécia já tomou as medidas necessárias para que a Turquia levante as objeções à sua adesão à NATO, mas será que Ancara vai ceder até à cimeira de Vilnius, em julho?

PUBLICIDADE

Os Estados Unidos instaram a Turquia a aprovar a adesão da Suécia à NATO.

O Secretário de Estado, Antony Blinken, afirma que "chegou o momento" de o país do norte da Europa aderir à aliança. 

A Suécia e a vizinha Finlândia começaram a pedir a adesão à NATO no ano passado, após a invasão total da Ucrânia pela Rússia.  Finlândia já entrou na Aliança Atlântica; a Suécia é alvo da resistência da Turquia e da Hungria, que ainda não ratificaram a adesão do país. 

Antony Blinken, Secretário de Estado dos EUA diz: "Na perspetiva dos Estados Unidos, chegou o momento de finalizar a adesão da Suécia. Mais uma vez, o país tomou medidas muito significativas para responder a preocupações muito legítimas e penso que, em termos das suas próprias qualificações para a adesão desde o primeiro dia, [a Suécia] estava qualificada".

O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, que foi reeleito para um novo mandato de cinco anos no domingo, após uma campanha em que prometeu enfrentar o ocidente, acusa a Suécia de ser um paraíso para os terroristas.

Erdogan chama à Suécia um refúgio para "terroristas", especialmente membros do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), ilegalizado por Ancara. 

Washington e a NATO continuam a acreditar que a Suécia poderá hastear a sua bandeira de adesão, tal como a Finlândia, antes da cimeira da NATO em Vilnius, em julho.

Mas poderá não ser assim tão simples. A Turquia apelou na terça-feira à Suécia que processe os responsáveis pela projeção da bandeira de um grupo ilegal no edifício do parlamento em Estocolmo, no dia das eleições turcas que prolongaram o mandato de Erdogan.

Segundo um porta-voz do parlamento sueco, várias pessoas projetaram mensagens no edifício da capital sueca no final do dia de domingo, acrescentando que não tinha qualquer documentação sobre o que foi projetado.

As imagens partilhadas pela primeira vez no Twitter pelo chamado Comité de Solidariedade Sueco para Rojava - uma referência às regiões curdas da Síria - projetam uma bandeira do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK) no edifício do parlamento.

Outra imagem partilhada pela conta inclui um texto que diz "Liberdade para Ocalan", referindo-se ao líder do PKK, Abdullah Ocalan, que se encontra preso, e é considerado "inimigo público" pelo regime de Erdogan.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Erdogan fez o juramento de posse e deu início ao terceiro mandato como Presidente da Turquia

O futuro da Europa: dos combustíveis fósseis à dependência dos metais?

ABBA World, uma nova exposição em Malmö