Kiev volta a estar debaixo de fogo

Kiev volta a estar debaixo de fogo
Kiev volta a estar debaixo de fogo Direitos de autor Alex Babenko/The AP
Direitos de autor Alex Babenko/The AP
De  euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Autoridades ucranianas anunciaram a interceção de três dezenas de mísseis e drones russos na madrugada de sexta-feira

PUBLICIDADE

Kiev voltou a estar debaixo de fogo e as autoridades ucranianas anunciaram a interceção de três dezenas de mísseis russos na madrugada de sexta-feira. Vitali Klitschko, Presidente da Câmara local, sublinhou no entanto que desta vez não houve necessidade de intervenção dos serviços de urgência.

Os ataques da véspera tinham custado a vida a três pessoas, alegadamente por não terem conseguido entrar num abrigo antiaéreo que se encontrava fechado. A situação levou Volodymyr Zelenskyy a realçar a importância vital de manter todos os abrigos abertos 24 horas por dia.

O líder ucraniano falou ao país depois de se ter encontrado com os líderes europeus na Moldávia para reiterar a vontade de ver a Ucrânia na NATO e na União Europeia.

Guerra na Ucrânia discutida em Brasília

Os esforços diplomáticos passaram também por Brasília, onde Lula da Silva recebeu o Presidente da Finlândia e a Ucrânia foi tema de destaque. Sauli Niinistö sublinhou que a Ucrânia tinha sido atacada ilegalmente e que a paz ainda estava distante.

Disse ainda que a Ucrânia "tem de aceitar” a paz que resultar das negociações. Já o Presidente brasileiro reiterou "a posição do Brasil de defesa da integridade territorial da Ucrânia e de condenação da invasão", acrescentando que é necessário "criar espaços de diálogo que contribuam para a busca de uma solução pacífica para o conflito”.

Território russo sob ataque

A mais recente frente de batalha está na região russa de Belgorod, junto à fronteira com a Ucrânia, com Moscovo a partilhar um vídeo dos ataques e a anunciar que anulou uma tentativa ucraniana para invadir as fronteiras russas.

Mais de três mil residentes locais foram já realojados temporariamente por questões de segurança.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Como os drones "kamikaze" Shahed do Irão estão a ser utilizados na Ucrânia

Ataques russos na Ucrânia fazem pelo menos oito mortos

Ucrânia diz ter abatido bombardeiro russo de longo alcance