Enterradas com os carrascos: Vítimas da guerra civil espanhola vão ser finalmente exumadas

Guerra civil espanhola
Guerra civil espanhola Direitos de autor Paul White/Copyright 2019 The AP. All rights reserved
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Espanha vai tentar exumar os corpos de 128 vítimas do exército do ditador Francisco Franco, enterrados sem identificação no mausoléu do Vale de Cuelgamuros (Vale dos Caídos).

PUBLICIDADE

Quando uma multidão se reuniu em frente à casa de José Antonio Marco Viedma, gritou "Viva Cristo Rei!".

Estávamos no início de Setembro de 1936 e, na cidade de Calatayud, no nordeste de Espanha, o fervoroso republicano e maçon Marco Viedma já tinha sido preso várias vezes.

Sabia que a sua vida estava em perigo quando foi ilegalmente detido pela polícia leal ao fanático movimento falangista.

"Levaram-no e assassinaram-no. Mataram-no quando ele estava encostado ao muro do cemitério de Calatayud", conta Silvia Navarro, sobrinha-neta de Marco Viedma, à Euronews.

O seu corpo foi enterrado numa vala comum e, anos mais tarde, transferido sem autorização da família para uma das capelas laterais do gigantesco mausoléu do falecido ditador espanhol Francisco Franco.

O complexo do mausoléu perto de Madrid, no Vale de Cuelgamuros - anteriormente conhecido como o Vale dos Caídos - tornou-se um símbolo duradouro de décadas de ditadura e um santuário divisor da amarga Guerra Civil do país.

"Na altura, as autoridades exumaram as valas comuns das vítimas do exército franquista. Várias famílias pediram-lhes que não levassem os seus familiares e não lhes deram ouvidos", conta Navarro.

A sua família só soube que os restos mortais de Marco Viedma tinham sido trasladados em 2008, quando se ia proceder à exumação das vítimas que morreram na vala comum do cemitério de Calatayud.

"A minha mãe disse-me: 'Vamos ver se consegues encontrar o teu tio-avô, parece que andam à procura dele. Tínhamos muita esperança, mas ele não estava lá", conta Navarro.

Após 15 anos de batalhas legais para conseguir um enterro digno, a família conseguiu voltar a ter esperança.

Começaram os trabalhos forenses para tentar exumar os corpos de 128 vítimas do exército de Francisco Franco enterradas anonimamente em caixas de madeira no subsolo do Vale de Cuelgamuros.

Foi instalado um laboratório forense no interior do mausoléu, com equipamento de raios X, microscópios, instrumentos de medição, mesas e iluminação especial para que os peritos possam trabalhar. Estão à procura dos restos mortais das vítimas cujas famílias pediram a identificação e a restituição dos corpos.

A missão dos arqueólogos e dos geneticistas será encontrar as caixas de madeira onde as vítimas estão enterradas e identificá-las se não for possível distinguir os números das inscrições.

As exumações serão as primeiras das vítimas ao abrigo da lei espanhola da memória histórica, aprovada em Outubro passado, que visa reparar as vítimas de Franco.

Anos de 'tortura psicológica'

"O assassínio do meu tio-avô causou grande sofrimento à minha família. Depois disso, foram à falência, pois era ele que tomava conta dos negócios da família. Foram também castigados pelos próprios vizinhos e tiveram de se mudar para Madrid para começar do zero", conta Navarro.

Durante muito tempo, a família sentiu-se assombrada pelo passado, por isso, quando recebeu uma mensagem no telemóvel na segunda-feira de manhã e leu que os trabalhos de exumação iriam começar, Navarro sentiu que podia respirar aliviada.

"Estamos à espera há anos e tem sido angustiante. Durante este tempo, enquanto esperávamos pelas exumações, muitos familiares das vítimas morreram sem poderem ser enterrados", conta.

É uma "tortura psicológica". Um dos familiares de outra vítima de Franco costumava dizer-lhe: "Todos os dias acordo a pensar que talvez hoje seja o último que tenho de esperar. E é sempre a mesma coisa, ano após ano".

PUBLICIDADE

ARQUIVO. O ex-ditador espanhol Francisco Franco, ao centro, assiste ao segundo aniversário da morte de Primo de Rivera, fundador do movimento de direita La Falange.AP/Copyright 2019 The AP. Todos os direitos reservados.

O plano inicial de Franco era manter o Vale de Cuelgamuros para o seu exército, uma vez que o monumento foi erguido para comemorar a sua vitória.

No entanto, a sua construção demorou mais tempo do que o previsto e, quando ficou concluída, muitos dos familiares dos chamados "caídos por Deus e por Espanha", os nacionalistas, não quiseram deslocar os restos mortais dos seus familiares que já tinham sido enterrados.

Foi então que o Ministério da Governação solicitou a várias câmaras municipais a transferência dos corpos. As autoridades locais negaram o pedido de envio de caixões nacionalistas, mas disseram que enviariam os restos mortais das valas comuns republicanas.

 Após o traslado das vítimas, o processo para as famílias poderem enterrar os seus entes queridos tem sido cansativo. Navarro define-o como um processo com muitos "avanços e recuos".

PUBLICIDADE

Foi interrompido em várias ocasiões, primeiro por grupos pró-Franco e depois pela presidente da câmara da localidade onde se situa o Valle de Cuelgamuros, a conservadora Carlota López Esteban.

Em Março último, o Supremo Tribunal deu luz verde aos trabalhos de exumação, rejeitando o recurso apresentado pela Fundação Franco para impedir o processo.

O processo de exumação

O vale de Cuelgamuros é a maior vala comum de Espanha, contendo os restos mortais de 33.833 vítimas de ambos os lados da Guerra Civil.

Até à exumação de Francisco Franco, em 2019, e de José Antonio Primo de Rivera, fundador do partido fascista Falangista, em Abril passado, as vítimas permaneceram ao lado dos seus carrascos.

A maior parte delas encontra-se nas criptas adjacentes à Capela do Santo Sepulcro e à Capela do Santíssimo Sacramento.

PUBLICIDADE

Segundo descreveram os antropólogos forenses que trabalham no projecto aos meios de comunicação social espanhóis, a recuperação dos restos mortais será "um desafio verdadeiramente excepcional".

O processo de exumação levará várias semanas, se não meses. Não estará concluído antes das eleições legislativas, a 23 de Julho, e isso é algo que preocupa os familiares das vítimas.

"Estamos conscientes de que o processo é difícil e estamos preocupados com o facto de não estar concluído a tempo. Se houver uma mudança de governo, receamos que os trabalhos de exumação sejam interrompidos", diz Navarro.

Navarro acredita que uma das razões para o início dos trabalhos ter demorado muitos anos no passado foi a falta de vontade política.

"Esta deveria ser uma questão de Estado, independentemente de quem está no poder", acrescenta.

PUBLICIDADE

Navarro diz ter crescido na Alemanha e considera inacreditável todo o tratamento dado às vítimas da guerra civil. No país do norte da Europa, esta situação seria "absolutamente inconcebível".

"O facto de os nossos familiares terem sido enterrados durante tanto tempo num local que nunca decidimos para nós, ao lado da pessoa que instigou os seus assassínios, é algo muito doloroso. Quando conto isto aos meus amigos alemães, eles não conseguem acreditar", diz ela.

"Não estou a dizer que estas exumações vão trazer justiça, porque não vai haver, mas vão trazer um mínimo de reparação às vítimas", acrescenta.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Vítimas do franquismo esperançadas na Lei da Memória Democrática

A era de Franco e a Guerra Civil espanhola

Começou julgamento sobre "bebés roubados" no franquismo