EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Secretário de Defesa dos EUA diz que a "Ucrânia ainda tem muito poder de combate"

Secretário de Defesa dos EUA, Lloyd Austin
Secretário de Defesa dos EUA, Lloyd Austin Direitos de autor AP Photo/Virginia Mayo
Direitos de autor AP Photo/Virginia Mayo
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Secretário de Defesa dos EUA, Lloyd Austin, considera que a "Ucrânia ainda tem muito poder de combate". Kiev afirma que já recuperou 100 quilómetros quadrados de território. Chefe da AIEA avalia a situação na central nuclear de Zaporíjia como "grave".

PUBLICIDADE

A contraofensiva ucraniana está a encontrar forte resistência por parte das tropas russas. As baixas são pesadas e o avanço é lento. Ainda assim, Kiev afirma ter recuperado o controlo de cerca de 100 quilómetros quadrados de território, incluindo sete localidades em Donnetsk e Zaporíjia.

No final de uma reunião do grupo de contacto de apoio à Ucrânia, em Bruxelas, o secretário da Defesa dos EUA, Lloyd Austin, disse que a Ucrânia ainda tem muito poder de fogo para conduzir a contraofensiva.

"Penso que os russos nos mostraram os mesmos cinco veículos (destruídos) cerca de 1000 vezes, de 10 ângulos diferentes. Mas, muito francamente, os ucranianos ainda têm muita capacidade de combate, poder de combate," afirmou o secretário de Defesa dos Estados Unidos, Lloyd Austin.

O chefe da Agência Internacional de Energia Atómica da ONU, Rafael Grossi, visitou, na quinta-feira, a central nuclear de Zaporíjia para verificar os riscos potenciais causados pela destruição da barragem Kakhovka (que fornecia a água de arrefecimento à central).

Grossi, considera que a situação em Zaporíjia é "grave" mas está a ser estabilizada.

"Por um lado, podemos ver que a situação é grave, as consequências existem e são reais. Ao mesmo tempo, estão a ser tomadas medidas para estabilizar a situação," explicou o diretor-geral da Agência Internacional da Energia Atómica, Rafael Grossi.

150 crianças ucranianas foram levadas de Lugansk para a Rússia

"150 crianças do distrito de Starobilsk, na região de Lugansk, foram ilegalmente levadas para os centros recreativos "Lesnoy" e "Sosenka", no distrito de Prikuban, na República Russa de Karachay-Cherkess. Desde junho, 750 crianças do território temporariamente ocupado da região de Lugansk foram levadas para estas instalações. Até à data, 19.393 crianças foram transferidas ilegalmente para a Rússia a partir dos TOT (Territórios Temporariamente Ocupados) da Ucrânia. Isto foi afirmado pelo Presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelenskyy, em 13 de maio, durante uma reunião conjunta em Roma com a Primeira-Ministra italiana, Giorgia Meloni," informou o Centro Nacional de Resistência da Ucrânia.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Ministros da Defesa da NATO reúnem-se em Bruxelas para discutir Ucrânia

Putin admite falta de equipamento e de preparação face a ataques ucranianos

Mísseis russos continuam a matar civis ucranianos enquanto prossegue contraofensiva