EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Como é que o ciberbullying pode ser regulamentado?

Guerra contra o ciberbullying
Guerra contra o ciberbullying Direitos de autor EMMANUEL DUNAND/AFP
Direitos de autor EMMANUEL DUNAND/AFP
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A mãe de uma jovem irlandesa que se suicidou em 2018 acredita que a União Europeia vai adotar novas leis contra o assédio na internet.

PUBLICIDADE

O bullying não é novidade. Mas hoje em dia, com a utilização das redes sociais e dos smartphones, o que costumava parar nos portões da escola segue muitos jovens até casa. Foi o que aconteceu com Nicole Fox, a irlandesa de 21 anos que se suicidou em 2018 depois de ter sofrido bullying presencial e online.

Desde aí, a mãe de Nicole tem feito campanha para que o ciberbullying seja punido por lei. Na Irlanda conseguiu que fosse adotada a "Lei Coco", em homenagem à filha, que prevê penas de até 7 anos de prisão para quem distribuir ou publicar imagens íntimas de uma pessoa sem consentimento. Jackie Fox levou a história da filha à sede do Parlamento Europeu em Estrasburgo, e agora acredita que esta lei será adotada em toda a União Europeia.

"O que eu realmente queria era uma lei que protegesse as vítimas como a Nicole e as suas famílias, para que ninguém tivesse de passar pelo que eu estou a passar hoje sem a minha filha ao meu lado. Tenho o legado da Coco comigo aqui na Irlanda. É preciso levá-lo para a Europa e pensar em todas as vidas que podem ser salvas", defende Jackie Fox. 

Existem leis semelhantes noutros países da Europa. Em França, as plataformas em linha são obrigadas a reagir legalmente ao cyberbullying. Justine Atlan, diretora-geral da associação "E-enfance", lamenta o facto dos casos só serem conhecidos quando já exitem danos e consequências. 

"Até agora, a responsabilidade é atribuída a posteriori. A moderação na Internet não é a priori, porque a regra  é que qualquer pessoa pode publicar o que quiser a toda a hora, sem filtros nem barreiras. Depois, são as redes ou outros utilizadores da Internet que denunciam os conteúdos problemáticos", alerta Justine Atlan.

Muitos especialistas apelam às redes sociais para que tornem os seus algoritmos proativos, em vez de reagirem quando os danos já foram causados.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Estudo da OMS revela que um em cada seis jovens é vítima de cyberbullying na Europa

Governo francês declara guerra ao bullying

Guerra ao Cyberbullying