Escolas francesas sensibilizam para o cyberbullying

Mãe e padrasto de Lindsay numa conferência de imprensa
Mãe e padrasto de Lindsay numa conferência de imprensa Direitos de autor DENIS CHARLET/AFP
De  Héloïse Urvoy
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Ação surge na sequência do suicídio de uma adolescente de 13 anos.

PUBLICIDADE

Na semana que passou, todos os alunos do sexto ao nono ano em França tiveram direito a uma hora de sensibilização para o cyberbullying. A decisão surge um mês depois de Lindsay, uma jovem de 13 anos vítima de bullying, se ter suicidado.

Nora Tirane-Fraisse luta contra o bullying nas escolas. A filha, Marion, também tinha 13 anos quando se enforcou, no dia13 de fevereiro de 2013.

De acordo com Nora, o calvário de Marion começou nos primeiros anos da escola. Para ela, é imperativo que as crianças sejam educadas desde tenra idade:

"Para a Marion, de facto, aconteceu aos treze anos. Mas, seguindo o fio da meada, são todas as pequenas provocações, os gozos que são postos de lado, que a criança minimiza e que nós, adultos, também minimizamos. Eu via claramente que as outras crianças não a convidavam, que estava sozinha. A certa altura, a criança diz: 'Vou parar de brincar. Já não tem piada. Não vou mais a uma escola onde eu denuncio os factos e eles não são tidos em conta'. E foi isso que aconteceu entre 12 e 13 de fevereiro", conta a mãe, fundadora e delegada-geral da associação Marion La Main Tendue.

São todas as pequenas provocações, os gozos que são postos de lado, que a criança minimiza e que nós, adultos, também minimizamos.
Nora Tirane-Fraisse
Mãe de vítima de bullying

O caso em Espanha

Algumas escolas em França e noutras partes da Europa têm-se mostrado relutantes em falar de bullying. Espanha, por exemplo, foi palco de incidentes relacionados com o bullying escolar:

Enrique Perez-Carrillo, presidente da Associação Espanhola de Prevenção do Assédio Escolar (AEPAE), diz:"A escola, em última análise, por defeito, não toma o partido da vítima e minimiza o problema, para o tornar invisível, para que não afete o prestígio da escola e para que o que acontece não chegue à inspeção escolar".

Tirar os agressores do espírito de grupo

Mas há soluções que estão a ser propostas. O desafio é, portanto, ouvir a vítima, mas também trabalhar com os agressores:

Eis o que propõer Jean-Pierre Bellon, filósofo e diretor do RESIS - Centro de Recursos e Estudos Sistémicos contra o Assédio Escolar:"Individualizamos os alunos, tiramo-los da mentalidade de rebanho, tentamos envolvê-los na resolução do problema. É muito eficaz e não significa que não devamos punir em certos casos. 'Estou preocupado com o teu colega, ele não está a ir bem. O que é que me podes dizer? O que é que podemos fazer?' - são as perguntas que devemos fazer", explica.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Governo francês declara guerra ao bullying

Protesto dos agricultores franceses dificulta exportações portuguesas e faz perder milhões por dia

Tempestade "Ciarán" deixa 160 mil sem luz em França e "Domingos" ameaça Itália