EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

O que está por detrás da raiva nos subúrbios franceses?

O que está por detrás da raiva nos subúrbios franceses?
Direitos de autor euronews
Direitos de autor euronews
De  Monica Pinnaeuronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

As cicatrizes de mais de cinco noites de motins provocados pelo assassinato de Nahel, um jovem de 17 anos originário do Norte de África, continuam visíveis.

PUBLICIDADE

O que é que está por detrás da raiva nos subúrbios franceses? A nossa repórter Monica Pinna esteve num subúrbio dos arredores de Lyon, a chamada "banlieue”.

Les Minguettes é um dos 1500 bairros considerados “prioritários” em França. Cerca de 5 milhões e meio de pessoas vivem em zonas de baixos rendimentos como esta, situada em Vénissieux, a sudeste de Lyon.

Muitos dos que vivem nos subúrbios desfavorecidos são imigrantes ou franceses de terceira ou quarta geração. Os residentes são três vezes mais pobres do que o resto do país e o desemprego é galopante, especialmente entre os jovens.

Droga, desemprego e insegurança

Nestes bairros, a criminalidade relacionada com a droga é mais elevada do que a média nacional e conduziu a uma maior insegurança para todos. As relações entre os habitantes e a polícia tornaram-se problemáticas.

Desconfiança entre a polícia e a população da periferia

"Eles revistam-me três ou quatro vezes por dia. Quando lhes perguntamos porquê, respondem 'cala-te e vira-te para a parede'. Batem-nos e atiram gás lacrimogéneo", conta um adolescente do bairro Les Minguettes.

"Temos medo do que se passa", disse uma mulher que aceitou falar com a euronews, num parque infantil local. "Temos medo da polícia. Fazem-nos sentir inseguros quando nos atiram gás lacrimogéneo, sem motivo, no parque das crianças. Não há diálogo. É uma luta pelo poder", afirma a moradora, mãe solteira com dois filhos.

ONU insta França a tratar discriminação na aplicação da lei

O número de alegadas vítimas de violência policial está a aumentar em França. Após a morte de Nahel, as Nações Unidas instaram a França a "abordar seriamente as questões profundas do racismo e da discriminação na aplicação da lei".

Um estudo revela que os negros ou os jovens de origem norte-africana têm 20 vezes mais probabilidades de serem controlados pela polícia do que o resto da população. Os sindicatos da polícia e o governo têm negado sistematicamente as acusações de racismo e afirmam que os desafios para os agentes da polícia são cada vez maiores.

"Hoje em dia, a polícia não pode parar para conversar, nessas zonas, é demasiado perigoso, seremos atacados. Faltam-nos recursos, falta-nos pessoal, falta-nos formação suficiente. Em termos de tiro, quando se dispara três vezes por ano contra alvos de cartão imóveis, esse treino não é muito útil quando se está na rua”, afirmou um responsável sindical da polícia.

Associar etnia e criminalidade é racismo, diz antigo ministro

Azouz Begag, sociólogo e antigo ministro francês da Igualdade de Oportunidades, rejeita a ligação entre a etnia e criminalidade: "é árabe, é negro, mas sobretudo é pobre, mas há quem não queira ouvir. Isso é puro racismo".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Será que a Macedónia do Norte vai conseguir abandonar o carvão?

Campos Elísios transformam-se numa enorme mesa de piquenique

Três feridos em ataque à faca no metro de Lyon