Recorde de apreensão de cocaína no valor de 600 milhões de euros em Roterdão

As autoridades aduaneiras dos Países Baixos afirmaram ter intercetado um carregamento de mais de 8000 quilos de cocaína.
As autoridades aduaneiras dos Países Baixos afirmaram ter intercetado um carregamento de mais de 8000 quilos de cocaína. Direitos de autor Openbaar Ministerie, Netherlands Public Prosecution Service via AP
De  AP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied
Artigo publicado originalmente em inglês

Procuradores dizem que a droga estava escondida num contentor de bananas do Equador.

PUBLICIDADE

As autoridades aduaneiras de Roterdão confiscaram mais de 8 mil quilos de cocaína, a maior apreensão da droga nos Países Baixos, de acordo com o Ministério Público.

A droga tinha um valor de mercado estimado em 600 milhões de euros.

Ainda não foram efetuadas quaisquer detenções no âmbito da investigação que se seguiu à descoberta, mantida em segredo devido ao apuramento em curso.

Segundo os procuradores, a droga, que foi destruída, foi descoberta a 13 de julho, e estava escondida num contentor de bananas provenientes do Equador. O anúncio foi feito um dia depois de um candidato presidencial conhecido por se ter manifestado contra os cartéis de droga e a corrupção no país sul-americano ter sido mortalmente baleado num comício político.

O florescimento do comércio de droga na Europa também está a alimentar a violência e a corrupção no continente, afirmou a agência da União Europeia (UE) que controla a droga e a toxicodependência no seu relatório anual de junho.

A agência afirmou que estão a ser apreendidas quantidades recorde de cocaína na Europa, com 303 toneladas confiscadas pelos Estados-membros da União Europeia em 2021. De acordo com o relatório, Roterdão e o porto belga de Antuérpia são agora as principais portas de entrada da cocaína latino-americana no continente.

A expansão do mercado da cocaína tem sido acompanhada por um aumento da violência e da corrupção na UE, com a concorrência feroz entre traficantes a conduzir a um aumento dos homicídios e da intimidação.

Entre as vítimas nos Países Baixos nos últimos anos contam-se um advogado que representava uma testemunha no julgamento de um alegado traficante de droga e o repórter criminal Peter Rudolf de Vries, que era confidente da testemunha.

Ameaças não especificadas contra a herdeira do trono neerlandês, a princesa Amália, obrigaram-na, no ano passado, a abandonar o alojamento de estudantes em Amesterdão e a prosseguir os seus estudos a partir de casa.

No Equador, os traficantes de droga começaram a utilizar os portos costeiros do país e desencadearam uma onda de violência que não se via há décadas, com bandos rivais a lutarem pelo controlo.

No mês passado, o presidente da câmara da cidade portuária de Manta foi baleado e morto. A 26 de julho, o Presidente Guillermo Lasso declarou o estado de emergência em duas províncias e no sistema prisional do país, numa tentativa de conter a violência.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Cerca de 110 toneladas de cocaína apreendidas no porto de Antuérpia em 2022

Partido da extrema-direita inicia contactos para coligações governamentais nos Países Baixos

Quem é o "Trump neerlandês", o populista anti-islão Geert Wilders?