Rússia bombardeia cidades no ocidente da Ucrânia

Bombardeamentos russos contra cidades ucranianas
Bombardeamentos russos contra cidades ucranianas Direitos de autor AP/Zaporizhzhia administration Press Office
De  Luis GuitaEuronews com AP, AFP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Ataque noturno de mísseis russos atingiu vários edifícios civis na região oeste da Ucrânia. Presidente Zelenskyy visitou tropas na linha da frente. Combates intensos em Kupiansk obrigam à retirada de civis.

PUBLICIDADE

Um ataque de mísseis russos durante a noite atingiu múltiplos edifícios civis na região oeste da Ucrânia de Lviv e feriu vários habitantes.

O presidente da Câmara de Lviv, Andriy Sadovyi, informou que um míssil atingiu um terraço num jardim-de-infância e quatro pessoas ficaram feridas.

Na região vizinha de Volyn, em Lutsk, um ataque russo com mísseis matou três civis e provocou vários feridos, informou o Governador da região.

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskyy, visitou na segunda-feira o quartel-general das brigadas que conduzem as operações ofensivas dentro do grupo operacional-tático "Solidar" na região de Donetsk.

Na linha de frente, a Ucrânia reivindicou na segunda-feira alguns ganhos no leste e no sul. Pequenos passos na extenuante contraofensiva lançada há dois meses para libertar territórios ocupados pela Rússia.

Equipas da Cruz Vermelha Ucraniana retiraram, na segunda-feira, civis que viviamm em acampamentos e cidades perto da linha da frente no nordeste.

Aqui, a Rússia intensificou, recentemente, os ataques numa manobra de novo impulso ofensivo.

Os habitantes disseram que tomaram a difícil decisão de sair porque os bombardeamentos russos se tinham tornado insuportáveis.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Mais de 2300 doentes ucranianos foram tratados em hospitais da UE desde o início da guerra

Zelenskyy condena "abusos" de altas patentes militares ucranianas

Mais de 10.000 civis mortos na Ucrânia desde a invasão russa diz ONU