EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Mais de 2300 doentes ucranianos foram tratados em hospitais da UE desde o início da guerra

Paramédicos transportam militares ucranianos gravemente feridos em macas para o Hospital Mechnikov em Dnipro, Ucrânia, sexta-feira, 14 de julho de 2023\.
Paramédicos transportam militares ucranianos gravemente feridos em macas para o Hospital Mechnikov em Dnipro, Ucrânia, sexta-feira, 14 de julho de 2023\. Direitos de autor AP Photo/Evgeniy Maloletka
Direitos de autor AP Photo/Evgeniy Maloletka
De  Mared Gwyn Jones
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied
Artigo publicado originalmente em inglês

A UE coordenou a transferência médica de mais de 2300 doentes ucranianos para hospitais europeus desde o início da invasão russa, em fevereiro de 2022.

PUBLICIDADE

Os doentes que sofrem de ferimentos de guerra ou de doenças graves que não podem atualmente ser tratados na Ucrânia foram transferidos para hospitais de 21 países europeus, no âmbito de um programa lançado em março de 2022.

O sistema de saúde da Ucrânia tem estado sob enorme pressão desde o início da guerra. 

Com muitos funcionários a tratar os feridos na linha da frente, os pacientes que necessitam de tratamentos especializados têm frequentemente de ser transferidos para outros hospitais fora da Ucrânia.

O Mecanismo de Proteção Civil da UE financia as transferências de pacientes, que são coordenadas a partir de um centro localizado na cidade polaca de Rzeszów, perto da fronteira com a Ucrânia.

O centro oferece cuidados e apoio aos doentes que chegam da Ucrânia antes de serem transportados de avião para receberem tratamento num hospital de outro país europeu. São efetuados dois voos por semana, oferecidos pela Noruega, que transportam os doentes de Rzeszów para países que oferecem tratamento posterior.

O programa foi concebido para aliviar as pressões sobre os sistemas de saúde dos países vizinhos da Ucrânia, incluindo a Polónia e a Eslováquia, uma vez que o afluxo de refugiados coloca os hospitais sob pressão.

Mais de 370 destes doentes receberam apoio para regressar à Ucrânia após o tratamento.

Em junho deste ano, a Organização Mundial de Saúde (OMS) lançou um projeto de 18 meses, financiado pela Comissão Europeia, destinado a reforçar os processos de evacuação médica e de repatriamento do Ministério da Saúde ucraniano. O projeto centrar-se-á especificamente no regresso seguro dos doentes que terminaram o seu tratamento agudo no estrangeiro e que desejam regressar à Ucrânia.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Rússia bombardeia cidades no ocidente da Ucrânia

"A Rússia não quer a paz", Mykhailo Podolyak, conselheiro de Volodymyr Zelenskyy

Ucrânia atinge duas pontes na Crimeia anexada