EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Incêndio em Evros já consumiu área superior as cidades de Madrid ou Nova Iorque

Dois homens assistem às chamas que lavram na região grega de Alexandrópolis
Dois homens assistem às chamas que lavram na região grega de Alexandrópolis Direitos de autor AP Photo/Achilleas Chiras
Direitos de autor AP Photo/Achilleas Chiras
De  Francisco Marques
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

As chamas já lavram há mais de 10 dias em Alexandrópolis, região grega próxima da Turquia, onde provocaram pelo menos 20 mortos. Em Portugal, havia 3 fogos em curso

PUBLICIDADE

O incêndio que lavra já há mais de 10 dias em Evros, no nordeste da Grécia, e que já provocou a morte de pelo menos 20 pessoas, já consumiu uma área superior às das cidades de Madrid, capital de Espanha, ou de Nova Iorque, nos Estados Unidos.

De acordo com os mapas divulgados pelo sistema europeu de satélites Copernicus, é possível perceber a grandeza do fogo na região de Alexandrópolis, uma área já superior a 808 quilómetros quadrados, mais do que os 606 km2 de Madrid ou os 778 km2 da "Big Apple" ("grande maçã") norte-americana.

Para ajudar a Grécia a combater as chamas, a Comissão Europeia ativou o mecanismo de proteção civil dos "27", ao mesmo tempo que tenta ajudar também outros Estados-membros também em dificuldades perante chamas inflamadas por um verão europeu já com várias ondas de calor.

"Neste momento, a Comissão está a coordenar os esforços de socorro em várias frentes com o mecanismo de proteção civil da União Europeia por toda a Europa. Concretamente na região grega de Alexandrópolis, estamos a enfrentar o maior incêndio florestal jamais registado na União Europeia. Neste contexto, mobilizámos 12 aeronaves da nossa frota RescEU, juntamente com mais de 400 bombeiros e 60 veículos", enumerou esta terça-feira Balazs Ujvari, porta-voz da Comissão Europeia para o gabinete de gestão de ajuda humanitária e crises.

Dos 20 mortos relacionados com este fogo de Evros, pelo menos 19 serão de migrantes sem documentos que terão cruzado a fronteira com a Turquia, que fica ali perto, e acabaram carbonizados.

Numa reunião em Atenas, liderada pelo primeiro-ministro Kyriakos Mitsotakis, o governo helénico aprovou esta terça-feira a reflorestação de toda a área ardida e medidas para prevenir a erosão e inundações, numa altura em que os efeitos do aquecimento global começam de facto a fazer-se sentir de forma trágica um pouco por todo o planeta.

Em Portugal, ao final da tarde desta terça-feira e de acordo com o portal "fogos.pt", havia três incêndios "em curso", sendo o mais grave na região de Santarém, no centro do país, onde estavam a combater as chamas mais de 150 bombeiros, apoiados por 38 veículos e onze aeronaves.

O Instituto Português do Mar e da Atmosfera colocou 38 concelhos dos distritos de Vila Real, Bragança, Leiria, Guarda, Castelo Branco, Portalegre, Santarém e Faro sob perigo máximo de incêndio rural e, em alguns, o alerta do IPMA irá manter-se ativo pelo menos até sexta-feira.

Outras fontes • Ekathimerini, Fogos.pt

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

As causas dos incêndios catastróficos no nordeste da Grécia

Incêndio nos arredores de Atenas obriga a retirar milhares de pessoas

Arguidos do incêndio de 2018 que matou mais de 100 pessoas na Grécia voltam a julgamento