EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Até 3400 euros por mês: empresa espanhola recruta combatentes para a Ucrânia

Soldados ucranianos disparam salvas durante um funeral em Bila Tserkva, perto de Kiev, na Ucrânia.
Soldados ucranianos disparam salvas durante um funeral em Bila Tserkva, perto de Kiev, na Ucrânia. Direitos de autor Emilio Morenatti/Copyright 2023 The AP. All rights reserved
Direitos de autor Emilio Morenatti/Copyright 2023 The AP. All rights reserved
De  Laura Llach
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Uma empresa espanhola que recruta voluntários para combater na Ucrânia afirma estar em contacto com o Ministério da Defesa do país, oferecendo contratos de até 3400 euros.

PUBLICIDADE

Uma empresa espanhola que recruta voluntários para combater na Ucrânia afirma estar em contacto com o Ministério da Defesa do país, oferecendo contratos de até 3400 euros.

O teste mais difícil para os futuros combatentes espanhóis da Legião Internacional da Ucrânia é manter uma posição-chave conquistada durante três dias. Para isso, os voluntários passam duas noites e três dias sem dormir, defendendo o ponto estratégico.

"De todo o curso, este é o teste com maior taxa de desistência", disse à Euronews Francisco Galván, diretor e formador principal da G.O.A. Tactical, a única empresa em Espanha dedicada à formação de pessoas que querem combater na Ucrânia.

A isto seguem-se outros exercícios, como correr com equipamento militar aos ombros, capturar e "limpar" trincheiras ocupadas e testes de resistência num ambiente hostil.

Por setecentos euros, os futuros combatentes recebem cinco dias de treino para experimentarem o que vai acontecer no campo de batalha.

O prémio? Um contrato com o Ministério da Defesa ucraniano, que pode ir até aos 3400 euros, se entrarem para as unidades de elite.

"A nossa empresa tem contactos com os ministérios da Defesa de todo o mundo, incluindo a Ucrânia. O que fazemos é avaliar uma pessoa que está interessada em combater e dar-lhe os contactos para que possa entrar em contacto com eles", diz Galván.

Emilio Morenatti/Copyright 2023 The AP. All rights reserved
Francisco Galván com um dos estudantes que participam no curso.Emilio Morenatti/Copyright 2023 The AP. All rights reserved

"É o voluntário que tem de lhes telefonar diretamente, mas os nossos contactos estão à sua espera. Depois, mostra o certificado de validação e fica com o emprego", acrescenta.

O objetivo é evitar que a empresa seja classificada como um contratante privado de segurança e defesa, as chamadas Empresas Militares Privadas, um serviço semelhante ao do Grupo paramilitar Wagner.

"Temos pessoas a combater na Ucrânia. Um deles regressou a Espanha para descansar durante alguns meses e foi então que lhe perguntaram (pelos oficiais ucranianos) se podia recrutar pessoas para combater na guerra", diz Galván.

Após 18 meses de luta contra a invasão total da Rússia, a Ucrânia precisa de soldados. Muitos deles estão exaustos e a taxa de baixas é elevada.

Embora o exército ucraniano evite dar números específicos sobre o número de soldados, a Statista Research estima que sejam 500 mil, o dobro do número que servia antes do início do conflito.

Também há muita especulação sobre o número de baixas, mas os serviços secretos militares dos EUA estimam que tenham sido 190 mil - incluindo os feridos - em ano e meio de guerra.

Emilio Morenatti/Copyright 2023 The AP. All rights reserved
A empresa espanhola oferece cursos de cinco dias para avaliar as habilidades dos futuros lutadores.Emilio Morenatti/Copyright 2023 The AP. All rights reserved

Ucrânia precisa de mais soldados

A Legião Internacional, supervisionada pelos serviços secretos ucranianos, é constituída por militares voluntários de todo o mundo.

Em março de 2022, o Ministério da Defesa ucraniano lançou um programa para recrutar estes voluntários para o seu exército. O número de pessoas que combatem atualmente neste batalhão não foi divulgado.

De acordo com Galván, o problema é que há muitas pessoas que chegam sem formação, pelo que o ministério está à procura de voluntários mais especializados.

A empresa disse aos meios de comunicação social espanhóis que um posto na linha da frente dá direito a um salário de 2.800 euros por mês, enquanto os administrativos receberão um salário de cerca de 1.800 euros por mês. A posição mais procurada é a das unidades de elite, com um salário que pode atingir os 3.400 euros por mês.

Os candidatos devem ter, pelo menos, dois anos de experiência no setor, seja ele militar, policial ou de segurança. Desde o lançamento do concurso, há uma semana, foram recebidas mais de 200 candidaturas.

PUBLICIDADE

"Este curso não é para pessoas que estão a começar do zero, seria impossível formar alguém em apenas cinco dias. O que fazemos é avaliar se a pessoa realmente sabe e pode lutar na Ucrânia", diz Galván.

O diretor sublinha que nenhum dos voluntários tem antecedentes criminais.

A Euronews contactou o Ministério da Defesa ucraniano para comentar o assunto.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Espanha recusou autorização para escala a navio que transportava armas para Israel

Vitória socialista nas eleições catalãs põe fim ao domínio pró-independência

Um arquiteto juntou-se a 17 famílias e nasceu a primeira cooperativa de habitação em Madrid