EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Ajuda humanitária a caminho de Nagorno-Karabakh

População procurou abrigo junto de base de forças de paz russas.
População procurou abrigo junto de base de forças de paz russas. Direitos de autor AP/Russian Defense Ministry Press Service
Direitos de autor AP/Russian Defense Ministry Press Service
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Apoio necessário numa altura em que a população começou a abandonar a região face à escalada de tensão no território.

PUBLICIDADE

O primeiro comboio com ajuda da Cruz Vermelha desde a última ofensiva do Azerbaijão contra o enclave de Nagorno-Karabakh chegou ao terreno através do corredor Lachin, a única via de ligação para a Arménia.

A Cruz Vermelha trouxe cerca de 70 toneladas de alimentos e apoio humanitário vital para os médicos locais.

Nas Nações Unidas, o chefe da diplomacia azeri, Jeyhun Bayramov, disse que o país está determinado a reintegrar arménios étnicos como cidadãos.

Mas o presidente da Arménia alerta que a ameaça de escalda não desapareceu. Pediu ao Conselho de Segurança da ONU mecanismos internacionais de proteção dos arménios que vivem na região.

O ministro russo dos Negócios Estrangeiros, Sergei Lavrov, insistiu que "agora que os líderes de Yerevan e Baku resolveram a questão do reconhecimento mútuo da soberania dos dois países, chegou a hora de uma vida pacífica."

Enquanto isso, centenas de arménios do enclave de Nagorno-Karabakh estão acampados no exterior de um aeroporto perto da base das forças de paz russas.

Foram retirados de várias aldeias depois de o Azerbaijão lançar na terça-feira uma grande operação militar contra posições arménias que classificou como “operação antiterrorista.”

A Arménia fala em "limpeza étnica”, que qualifica como um crime contra a humanidade.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Explosão em Nagorno-Karabakh fez pelo menos 20 mortos, confirmam autoridades separatistas

Arménia recebe refugiados de Nagorno-Karabakh

Arménia: pelo menos 4 mortos em inundações