EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Robert Fico vai formar o novo governo da Eslováquia

Robert Fico e Zuzana Caputova
Robert Fico e Zuzana Caputova Direitos de autor Vaclav Salek/AP
Direitos de autor Vaclav Salek/AP
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Esta segunda-feira, a presidente Zuzana Caputova confiou a formação do executivo ao vencedor das legislativas de sábado.

PUBLICIDADE

A Presidente da Eslováquia confiou a formação do novo governo a Robert Fico, o vencedor das eleições deste fim de semana. O candidato, que é considerado pró-Rússia, vai precisar do apoio de outras formações para recuperar o cargo de primeiro-ministro.

O partido de Fico, o Smer-SD, obteve 23% dos votos, à frente do partido centrista Eslováquia Progressista (PS, 18%).

Zuzana Caputova garantiu o respeito pelos valores do país.

"Apesar de a política nos dividir, devemos respeitar-nos uns aos outros como seres humanos. O resultado das eleições não vai mudar os nossos valores e acredito que não vai mudar o nosso desejo de uma sociedade justa e democrática”, afirmou a presidente.

Esta segunda-feira, o ministério dos Negócios Estrangeiros da Eslováquia acusou a Rússia de "interferência" nas eleições de sábado. Ao mesmo tempo, convocou um diplomata da embaixada russa, na sequência das declarações do chefe dos serviços secretos do Kremlin sobre uma legada "interferência" de Washington na política interna eslovaca.

A embaixada russa em Bratislava negou qualquer interferência. "Ao contrário de alguns dos atuais aliados da Eslováquia, não interferimos nos assuntos internos de outros países e não nos envolvemos em mudanças de regime", afirmou a embaixada, citada pelas agências de notícias russas.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Diminuiu drasticamente o fluxo de migrantes na fronteira entre a Eslováquia e a Hungria

Berlusconi e a Europa: um ano após o desaparecimento de um líder que mudou a UE

PPE não pretende acordo formal com CRE, mas poderá haver cooperação